A+ / A-

Declarado estado de emergência em Nova Iorque devido a surto de sarampo

09 abr, 2019 - 19:51 • Lusa com Redação

Surto atingiu a comunidade judaica ultraortodoxa, devido à resistência de alguns grupos que acreditam que as vacinas são perigosas.

A+ / A-

A cidade de Nova Iorque declarou esta terça-feira o estado de emergência de saúde pública devido a um surto de sarampo que atingiu a comunidade judaica ultraortodoxa e ordenou a vacinação obrigatória no bairro de Williamsburg.

O presidente da câmara de Nova Iorque, Bill de Blasio, anunciou o estado de emergência no bairro de Williamsburg, na zona de Brooklyn, devido a um surto de sarampo que atingiu, desde setembro, mais de 250 pessoas.

As autoridades dizem que a culpa do surto é da campanha “anti-vacinas” que tem vindo a espalhar informações falsas”.

A cidade não pode legalmente forçar ninguém a ser vacinado, mas as autoridades decidiram que as pessoas que ignorarem o pedido podem ser multadas em mil dólares.

No início da semana, foi ordenado que as escolas religiosas e as creches que servem a comunidade judaica ultraortodoxa excluíssem os alunos não vacinados, sob pena de as instalações serem encerradas.

Segundo o comissário de saúde da cidade, a maioria dos líderes religiosos nas grandes comunidades ortodoxas de Brooklyn apoia os esforços para a vacinação, mas as taxas continuam baixas devido à resistência de alguns grupos que acreditam que as vacinas são perigosas.

"Este surto está a ser alimentado por um pequeno grupo anti-vacinação nesses bairros. Eles têm espalhado informações erradas com base em falsidades científicas", disse o comissário.

Desde o início do surto foram detetados 285 casos de sarampo, segundo as autoridades nova-iorquinas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.