Tempo
|
A+ / A-

SNS 24. Perto de 17% dos idosos estão em situação de fragilidade

08 abr, 2019 - 07:03 • Redação

Avaliação teve em conta se a pessoa tem dificuldades em andar, ver ou ouvir, se vive sozinho e se sente falta de companhia, se tem problemas de memória.

A+ / A-

O projecto Proximidade Sénior do Centro de Contacto SNS 24 contactou 17.339 idosos com mais de 75 anos. Perto de 17% (mais de 2.800) estão numa situação “de fragilidade”, ou seja, falta de memória, limitações nos movimentos, dificuldades em resolver problemas ou viver de algum modo isolado.

Segundo a notícia avançada pelo jornal “Público”, estes idosos foram contactados entre 17 de dezembro do ano passado e 28 de Fevereiro deste ano.

“Após avaliação do risco de fragilidade, e obtenção do consentimento em participar, encontram-se a ser acompanhados semanalmente 2.880 utentes: 1.453 no ACES Oeste Sul e 1427 no ACES Porto Oriental”, disse ao jornal a coordenadora do SNS 24, Micaela Monteiro.

A escala de avaliação de risco de fragilidade inquire se a pessoa tem dificuldades em andar, ver ou ouvir, se vive sozinho e se sente falta de companhia, se tem problemas de memória e, por exemplo, se se sente capaz de resolver problemas.

O questionário tem uma dezena de perguntas e cada resposta positiva equivale a um ponto. Com seis ou mais pontos, o idoso é classificado como estando em situação de fragilidade.

“Dos 17.339 idosos contactados, cerca de 16,6% apresentam critérios de fragilidade e podem ser acompanhados num programa à distância. Este número muito provavelmente pode ser extrapolado para a população idosa em Portugal”, considerou Micaela Monteiro, salientando que “até agora, não havia dados que permitissem planear uma intervenção desta natureza no nosso país”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.