Tempo
|
A+ / A-

Idai. Moçambique avança com reconstrução da Beira em maio

08 abr, 2019 - 09:45 • Redação

O embaixador de Moçambique em Portugal esteve nas Três da Manhã para falar sobre os trabalhos que decorrem no país no sentido de ultrapassar os efeitos nefastos da passagem do ciclone Idai.

A+ / A-

O processo de reconstrução da cidade da Beira vai avançar em maio. O anúncio foi feito nesta segunda-feira de manhã, na Renascença, pelo embaixador moçambicano em Lisboa.

Segundo Joaquim Bule, o Governo moçambicano vai organizar uma grande conferência para definir as prioridades.

“Isso vai envolver estudos especializados, discussões sobre como garantir que os próximos desastres, pelo menos os efeitos não sejam devastadores. A construção das tais infraestruturas resilientes, os mecanismos de mitigação dos efeitos das águas e por aí em diante”, afirmou o diplomata.

Entretanto, em Moçambique, foi registada a sexta vítima mortal por cólera. Mas há ainda mais de 3.100 casos notificados pelas autoridades, o que resulta numa proporção favorável no combate à doença.

“Em três mil e tal casos, há seis mortes, o que dá para perceber a vigilância epidemiológica que tem sido empreendida naquela zona”, sublinha o embaixador Joaquim Bule.

“Doutra forma, teríamos números talvez assustadores. E juntando às perdas de vidas que já ocorreram com as águas, seria um desastre a dobrar”, destaca.

Quase um mês depois da passagem do ciclone Idai por Moçambique, a Beira recebeu um total de 32 milhões de euros e cerca de 12 mil toneladas de bens diversos para apoiar as populações mais afetadas.

Os números são oficiais e resultam das campanhas que têm vindo a ser desenvolvidas, dentro e fora do país, para apoiar quase um milhão e 400 mil pessoas afetadas pelo Idai e pelas cheias que se seguiram.

O montante da ajuda parece elevado, mas ainda está longe dos cerca de 250 milhões de euros que, segundo as Nações Unidas, vão ser necessários para recuperar toda a zona em necessidade.

Ainda assim, entrevistado no programa As Três da Manhã, Joaquim Bule admite que “não estava à espera desta onda de solidariedade” de todo o mundo. “Estamos gratos pela solidariedade que temos estado a receber e ajuda-nos, pelo menos, a fazer face aos estragos que o próprio ciclone provocou”, acrescenta.

Nesta segunda-feira, a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) vai assinar um protocolo com o Governo moçambicano para transferir um milhão de euros para apoiar as vítimas do ciclone Idai.

O montante sai do Fundo de Solidariedade para apoiar as regiões atingidas pela calamidade, criado em dia 22 de março, após uma reunião extraordinária do Comité de Concertação Permanente da CPLP.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.