A+ / A-

Wilton Gregory nomeado arcebispo de Washington após afastamento de McCarrick

04 abr, 2019 - 11:26 • Redação com Ecclesia

Tem 71 anos e é o primeiro afro-americano a assumir um alto cargo na Igreja Católica dos Estados Unidos.
A+ / A-

O Papa nomeou um novo arcebispo para Washington, D.C.. É Wilton Gregory, até agora arcebispo de Atlanta, anunciou o Vaticano nesta quinta-feira.

Wilton Gregory, de 71 anos, vai substituir Theodore McCarrick, reduzido ao estado laical (a pena canónica mais grave antes da excomunhão), devido às acusações de abusos sexuais. Aliás, os dois antecessores de Wilton Gregory estiveram envolvidos em escândalos sexuais.

O novo arcebispo de Washginton é o primeiro afro-americano a assumir um alto cargo na Igreja Católica norte-americana e já visto como candidato a ser também o primeiro cardeal afro-americano na história dos EUA (e, portanto, e elegível para o conclave que vier a escolher um novo Papa).


Na Conferência Episcopal dos Estados Unidos da América, Wilton Gregory liderou o processo de desenvolvimento de diretrizes para o combate aos casos de abusos sexuais.

Em outubro de 2018, o Papa aceitara a renúncia do então arcebispo de Washington, cardeal Donald William Wuerl, de 77 anos. No momento da despedida, deixou votos de que a sua decisão pudesse abrir um novo capítulo centrado na “cura” e na construção do futuro da comunidade católica.

D. Donald William Wuerl foi um dos bispos questionados pelo relatório surgido em agosto sobre a gestão dos casos de abusos sexuais na Pensilvânia (EUA), um caso que motivou uma tomada de posição pública, por parte do Papa.

A renúncia aconteceu pouco depois de o Vaticano ter anunciado uma investigação sobre o caso do ex-cardeal Theodore McCarrick, também antigo arcebispo de Washington.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.