|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​A desertificação em Espanha

01 abr, 2019 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Em Espanha também se regista uma preocupante perda de população na maior parte do território. Mas a população residente no país não diminuiu, graças à imigração.

Ontem, em Madrid, dezenas de milhares de manifestantes reivindicaram serviços públicos de qualidade e mais empregos em zonas despovoadas. A Espanha está “vazia”, gritaram.

O governo espanhol avançou na sexta-feira com cerca de 80 medidas para combater a desertificação de uma grande parte do seu território. Essas medidas estão ainda numa fase de debate público, mas há algumas curiosas, como a instalação de quartéis do exército em localidades que perderam população. Outras são mais consensuais, como estimular o turismo rural e dar acesso à internet de banda larga a essas localidades.

Globalmente, e ao contrário do que se passa em Portugal, a Espanha não perdeu população, apesar da baixa natalidade. Ali a imigração mais do que que compensou essa baixa.

O problema demográfico espanhol é a crescente concentração dos seus habitantes numa pequena parte do território. 90% da população espanhola vive hoje em 30% do solo espanhol. A concentração populacional faz-se sobretudo na zona de Madrid e no litoral, atlântico e mediterrânico.

Um outro dado preocupante é o facto de, na última década, 63% das cidades espanholas com 20 mil a 50 mil habitantes terem perdido moradores. A perda de polução nos centros urbanos médios e pequenos leva, por arrasto, à desertificação das áreas circundantes às cidades, onde cada vez menos quem ainda lá vive tem acesso próximo a serviços essenciais.

E quanto mais pequeno é o município, mais gente o abandona. Por exemplo, 87% dos municípios com menos de mil habitantes perderam população nos últimos dez anos. É a desertificação.

Parece-me particularmente preocupante o despovoamento de cidades com dezenas de milhares de habitantes porque, no caso português, tenho defendido que o esforço de combater a desertificação do interior, para ser eficaz, deveria concentrar-se em cidades de média e pequena dimensão, dada a impossibilidade prática de manter aldeias.

Ora, consultando a evolução do número de habitantes por metro quadrado entre 2011 e 2015, parece que aquele fenómeno espanhol não se regista na maioria das nossas cidades do interior. De qualquer maneira, aí temos um alerta que nos vem de Espanha.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.