|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Óbitos

A+ / A-

Político italiano antivacinação obrigatória internado com varicela

20 mar, 2019 - 19:05

Massimiliano Fedriga é um feroz opositor da lei que obriga os pais a vacinar os filhos, mas garante que não contra as vacinas.

A+ / A-

Massimiliano Fedriga, membro do partido italiano Liga que se opõe à vacinação obrigatória, foi hospitalizado com uma variante altamente contagiosa de varicela.

O político de extrema-direita foi internado no início do mês e ficou em observação durante quatro dias, segundo o jornal “La Repubblica”.

Massimiliano Fedriga é um feroz opositor da lei que obriga os pais a vacinar os filhos para que as crianças possam entrar para a escola.

O dirigente da Liga do Norte considera que a legislação é “estalinista”, apesar de garantir que não é contra as vacinas. “Vacinei os meus filhos mesmo antes da lei obrigatória. Não sou antivacinas, pelo contrário, sou a favor de uma forte aliança com as famílias”, declarou Massimiliano Fedriga à estação Euronews.

Terminou este mês o prazo para as crianças italianas até aos seis anos receberem as suas vacinas. A partir de agora, e segundo o plano do Governo, as crianças não vacinadas deixam de poder frequentar as escolas públicas do país.

A lei foi introduzida pelo anterior ministro da Saúde para obrigar as crianças a receberem vacinas contra a varicela, poliomielite, sarampo, papeira e rubéola.

As crianças até aos seis anos cujos pais não as tenham vacinado ficam excluídas dos infantários e das escolas primárias. Os maiores de seis anos, até aos 16, não podem ser excluídos das escolas mas os seus pais enfrentam multas que podem chegar aos 500 euros se não assegurarem a vacinação dos seus filhos.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.