|
A+ / A-

Muda estrutura acionista da TAP. Governo garante que "não afeta" posição estratégica do Estado

15 mar, 2019 - 17:04 • Filomena Barros com Lusa

Transportadora confirma que a empresa asiática HNA vendeu a posição que detinha.

A+ / A-

A empresa asiática HNA anunciou esta sexta-feira que vai vender 9% da posição que detinha na TAP, uma mudança confirmada pelo presidente do Conselho de Administração da transportadora portuguesa, Miguel Frasquilho.

"A TAP, que continua a ser 50% de capital do Estado e 50% de capital privado, a partir de hoje deixou de ter na sua estrutura o acionista chinês HNA. A sua posição foi adquirida pelos acionistas privados Humberto Pedrosa e David Nilman, que continuam a formar o consórcio Atlantic Gateway, portanto os chineses HNA saíram do consórcio."

Convidado de um almoço-debate no International Club, Frasquilho disse lamentar a partida do grupo asiático. "Posso dizer que é com pena que recebemos esta notícia, mas ela não é inesperada", assumiu.

No encontro, o presidente da administração sublinhou que 2018 não foi um ano bom para a empresa, "nem em termos operacionais nem em termos de resultados financeiros", mas contrapôs que antecipa um 2019 mais positivo.

Para este ano, a TAP tem três novas rotas para os EUA e vai receber novos aviões encomendados à Airbus, explicou Miguel Frasquilho.

Reagindo à notícia da venda da sua posição acionista pelo conglomerado asiático HNA, fonte do Ministério das Infraestruturas e da Habitação garantiu que esta “não afeta a posição estratégica do Estado português”.

Mais de metade desta participação indireta na TAP foi vendida à Global Aviation Ventures LLC, um fundo norte-americano de capital de risco especializado no setor da aviação, por 30 milhões de dólares.

O restante passou para as mãos da transportadora aérea brasileira Azul S.A. em troca de 25 milhões de dólares, segundo comunicado enviado à bolsa da China.

Contactado pela Lusa, o Ministério referiu que, “a confirmar-se a venda da posição contratual do acionista chinês, ela não afeta a posição estratégica do Estado português, que se mantém inalterada”.

Quanto à mudança de acionistas, que implica que a Azul fique com posição reforçada na TAP, o executivo garante que “a substituição de um acionista minoritário por um novo acionista norte-americano e por um reforço da posição de um dos atuais acionistas não é um fator negativo para a empresa”.

“Pelo contrário, é um sinal de confiança dos adquirentes no futuro da empresa”, acrescentou a fonte.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.