Tempo
|
A+ / A-

​Marcelo diz que teria dissolvido Parlamento se incêndios de 2017 se repetissem

11 mar, 2019 - 21:30 • Lusa

De acordo com Marcelo, perante os incêndios de junho e outubro de 2017, "as leituras" do Presidente e as do Governo "não foram coincidentes no tempo sobre a realidade".

A+ / A-

Veja também:


O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou que, caso os incêndios de 2017 se tivessem repetido, teria dissolvido a Assembleia da República.

"Eu não escondo que foi a única circunstância que me levou a dizer aquilo que eu disse e que, traduzido em miúdos, é que se, no ano seguinte, houvesse uma situação idêntica haveria dissolução do parlamento", disse o chefe de Estado.

Em entrevista à TVI, a propósito do terceiro aniversário da sua posse como Presidente da República, que se assinalou no sábado, Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que perante os incêndios de 2017, na sequência dos quais morreram mais de 100 pessoas, a população considerou que o poder político estava desligado da realidade.

"Entendi que a maioria esmagadora dos portugueses olhava para o poder político dizendo 'eles descolaram da realidade, eles não estão a perceber que não podem morrer impunemente mais de 100 pessoas e não haver uma mudança de vida'", sustentou.

De acordo com Marcelo, perante os incêndios de junho e outubro de 2017, "as leituras" do Presidente e as do Governo "não foram coincidentes no tempo sobre a realidade".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Fernando de Almeida
    15 mar, 2019 Porto 00:17
    Sou leitor dia'rio do v/jornal eletronico.Ontem esta v/ noticia mereceu um comenta'rio meu. Tal como sempre fui sincero educado e frontal, mas não mereceu da vossa parte ser publicado .Respeito o vosso direito. Lembro-me de quando era rapazinho e queria ir ao cinema so' o podia fazer depois de ouvir o conselho dos cri'ticos da Renascença que terminava invariavelmente "...os restantes filmes em exibição ou ainda não foram vistos pelos nossos cri'ticos ou não serão aconselhados". Com grande espanto meu e ao contrario do que supunha a Renascença continua nos tempos da minha meninice.Os meus respeitosos cumprimentos