Tempo
|
A+ / A-

EUA aprovam spray nasal para tratar depressão grave

06 mar, 2019 - 13:43 • Redação com Lusa

Estudos apontam que o medicamento é eficaz em pacientes com depressão resistente a tratamentos convencionais. Utilização vai depender de aconselhamento médico.

A+ / A-

As autoridades de saúde norte-americanas aprovaram esta semana o lançamento de um novo antidepressivo, apresentado como revolucionário no tratamento da depressão grave, e que será comercializado sob a forma de spray nasal.

Na terça-feira, a agência reguladora do medicamento dos Estados Unidos, a Food and Drug Administration (FDA), deu luz verde à venda de escetamina, "prima química" da cetamina, há muito estudada para o tratamento da depressão.

O novo medicamento vai ser vendido nos Estados Unidos sob o nome de Spravato, produzido pelo laboratório Janssen, que agrupa as atividades farmacêuticas da Johnson & Johnson, e só pode ser tomado sob supervisão médica, devido aos possíveis efeitos colaterais.

Os ensaios clínicos incluíram pacientes com depressão resistente a tratamentos convencionais.

Segundo especialistas, o último grande desenvolvimento no tratamento da depressão data de há cerca de 30 anos, quando a fluoxetina, inicialmente comercializada com o nome "Prozac", foi lançada no mercado.

"A nossa ampla investigação sobre o 'spray' nasal de escetamina demonstrou um perfil positivo de risco-benefício para adultos com depressão resistente ao tratamento", defendeu o responsável pelas terapias no domínio das neurociências da Janssen, Husseini K. Manji.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que cerca de 300 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de depressão, uma doença que limita severamente a capacidade de levar um dia-a-dia normal, mas cuja gravidade é muitas vezes subestimada ou confundida com depressão temporária.

Os casos mais graves podem levar ao suicídio, aponta ainda a organização.

Em Portugal, o antigo ministro da Saúde Adalberto Campos Fernandes chegou a classificar a depressão como uma "epidemia silenciosa".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.