|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Anúncio do papa francisco

Arquivos do Papa Pio XII abertos aos investigadores

04 mar, 2019 - 11:27 • Aura Miguel

"A Igreja não tem medo da História", argumentou Francisco. A documentação do papado de Pio XII suscita particular interesse pelo facto de o seu pontificado ter começado poucos meses antes de começar a II Guerra Mundial.

A+ / A-

O Papa decidiu abrir toda a documentação do pontificado de Pio XII à consulta dos investigadores. Estes documentos têm sido mantidos sob reserva.

Os arquivos serão abertos a partir de março de 2020, anunciou Francisco esta segunda-feira, numa audiência aos responsáveis e trabalhadores dos arquivos secretos do Vaticano, chefiados pelo arcebispo português Tolentino de Mendonça.

Na comunicação, o Papa afirmou que toma a decisão “de ânimo sereno e confiante”, na certeza de que “uma investigação histórica e objetiva saberá trazer à luz e avaliar de modo crítico” aquele pontificado que, “no meio das trevas e de tanta crueldade”, tentou “manter a chama das iniciativas humanitárias” e “ativa a diplomacia da esperança”.

O pontificado de Pio XII atravessou o período da Segunda Guerra Mundial (1939-1958). Os judeus alegam que o Papa foi pouco brando com a Alemanha de Hitler, mas o Vaticano diz que Pio XII trabalhou nos bastidores com vista a salvar aquele povo do Holocausto.

Esta segunda-feira, Francisco sublinhou que “a Igreja não tem medo da História” e que, por isso, à semelhança dos Papas anteriores, abre e confia aos investigadores este património documental.

O Comité Judaico Americano já reagiu, considerando que a medida irá permitir uma avaliação objetiva do papel da Igreja durante o Holocausto.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.