A+ / A-

Kim queria fim das sanções, Trump não cedeu e a cimeira terminou sem acordo

28 fev, 2019 - 07:30 • ​​Marília Freitas​

A cimeira do Vietname terminou de forma abrupta e antes do previsto. Trump e Kim não chegaram a acordo sobre a desnuclearização da península coreana.
A+ / A-
Trump não cede e cimeira termina sem acordo
Trump não cede e cimeira termina sem acordo

A falta de acordo quanto às sanções impostas à Coreia do Norte travaram o acordo com Kim Jong-un na Cimeira do Vietname. Em conferência de imprensa, Donald Trump explicou que os norte-coreanos “queriam que as sanções fossem levantadas na totalidade. Nós não podíamos fazer isso e tivemos que sair”.

Trump considera que o que os Estados Unidos teriam de abdicar para alcançar o acordo era mais do que aquilo que os norte-coreanos estavam dispostos a dar em troca.

“Podíamos ter assinado um acordo hoje, mas eu não estaria feliz com esse acordo”, disse Donald. E acrescentou: "na realidade, já tínhamos documentos prontos a assinar, mas não pareceu apropriado. É preciso tomar a atitude certa. Prefiro fazê-lo bem do que rápido".

" Eles estavam dispostos a desnuclearizar uma grande parte das áreas que nós queríamos, mas não podíamos, em troca, acabar com todas as sanções para o obter."

"Isto deveria ter sido feito por outros Presidentes antes de mim, antes que eles [Coreia do Norte] tivessem o poder que têm. E não estou a culpar só a administração Obama, que também não fez nada”, salientou.

O Presidente norte-americano adiantou ainda que o líder norte-coreano lhe garantiu que não vai testar mísseis nucleares. “Eu confio nele, na sua palavra e espero que seja verdade”.

Trump destacou que a relação entre ambos é “muito forte” e que cimeira no Vietname foi “muito produtiva”. Contudo, “pensamos que não seria bom assinar algo”, disse aos jornalistas.

Na sua intervenção deixou, contudo, a porta aberta para um futuro entendimento: “vamos continuar a trabalhar e vamos ver”.

"Não desistimos de nada e francamente, acredito que vamos acabar por ser bons amigos, com o Presidente Kim e com a Coreia do Norte. Acho que eles têm um potencial tremendo."

A mesma mensagem quis deixar Mike Pompeo. O secretário de Estado norte-americano destacou que equipas diplomáticas de ambos os países estiveram em negociações durante várias semanas, alcançando “progressos reais”. “Infelizmente não conseguimos ir mais longe para chegar a um acordo”, lamenta.

“Pedimos-lhe para fazer mais, mas ele não estava preparado”, acrescentou Pompeo.

O encontro de dois dias no Vietname, entre Donald Trump e Kim Jong-Un, terminou, assim, mais cedo e sem acordo. Apesar de, durante a cimeira, os dois líderes terem manifestado a esperança de alcançar um acordo, o almoço conjunto foi cancelado, antecipando o fim da cimeira.

Fim abrupto? “Prova que foi uma precipitação”

O fim abrupto do encontro entre Donald Trump e Kim Jong-Un é "a prova de que a cimeira de Hanói foi precipitada", diz opinião de Germano Almeida, especialista em política norte-americana.

O analista considera que esta cimeira interessava às agendas internas dos dois líderes mas, em termos práticos, "oito meses depois [da cimeira] de Singapura, não tinha havido avanços suficientes no terreno para que esta cimeira se tivesse desenvolvido".

Germano Almeida lembra que a declaração assinada na cimeira de junho, em Singapura, foi "positiva, mas muito vaga em relação ao caminho para a desnuclearização da península coreana". Além disso, vários relatórios norte-americanos apontavam para a falta de garantias de que "os norte-coreanos estivessem de facto a congelar o desenvolvimento do processo de nuclearização".

"Estas coisas levam tempo. Os especialistas mostram que o calendário de desnuclearização pode demorar dez anos, portanto houve claramente uma precipitação", diz o analista em entrevista à Renascença.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JMC
    01 mar, 2019 USA 00:01
    Como sempre com Trump, "Much ado about nothing" (Muito barulho por nada).