|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Ala pediátrica do São João. Ministra reafirma prazos, associação e pais vão recorrer à Justiça

22 fev, 2019 - 16:28 • Henrique Cunha , com Lusa

Não foi pacífica a reunião que juntou, esta sexta-feira, as várias entidades envolvidas no processo.

A+ / A-

A ministra da Saúde, Marta Temido, reafirma a intenção de começar a construção da ala pediátrica do Hospital de São João entre o final deste ano e o início do próximo.

“Este Governo, já canalizou para o hospital 23 milhões de euros, 19 milhões de euros são para o pagamento da obra e três milhões de euros são para o capital estatutário”, disse Marta Temido, no final de uma reunião com as várias entidades envolvidas no processo, que decorreu, esta sexta-feira, na Administração Regional de Saúde do Norte.

A titularidade da obra pertence, contudo, à Associação O Joãozinho, cujo presidente, Pedro Arroja, garantiu, à saída do encontro, que não irá abdicar dela por estar “farto” das promessas do Governo.

Pedro Arroja quer que a administração do hospital permita que a Associação prossiga com a obra e acusa o Governo e a ministra de "falta de seriedade”, garantindo que vai recorrer à Justiça.

A Ministra da Saúde lembra que os terrenos de que fala Pedro Arroja são públicos. Marta Temido diz que a sua prioridade é a resolução dos problemas, mas, ainda assim, responde à acusação de Pedro Arroja, afirmando que “ninguém quando trabalha de uma forma séria gosta de ser acusada de não o fazer”.

"Triste" com o desenlace da reunião ficou o representante da Associação de Pais das Crianças com Doença Oncológica. Jorge Pires reafirma a intenção de processar os responsáveis pelo facto da obra ainda não ter avançado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.