Tempo
|
A+ / A-

​Sonda japonesa vai aterrar num asteróide para recolher amostras

21 fev, 2019 - 00:44

Hayabusa-2 vai recolher amostras do solo do asteroide Ryugu, na expectativa de obter pistas sobre as origens do Sistema Solar e da vida na Terra.

A+ / A-

A sonda japonesa Hayabusa-2 deverá aterrar no asteróide Ryugu, na quinta-feira à noite, para recolher amostras do corpo rochoso, estima a agência espacial japonesa Jaxa.

A aterragem está prevista para as 8h15 de sexta-feira em Tóquio (23h15 de quinta-feira em Lisboa).

Depois de tocar o solo do asteróide, a sonda irá disparar um projétil sobre o corpo rochoso. Ao todo, serão feitas três tentativas de aterragem breve para recolher amostras do solo na expectativa de se obter pistas sobre as origens do Sistema Solar e da vida na Terra.

Se a missão da Hayabusa-2 for bem-sucedida, a nova sonda espacial japonesa será a primeira do mundo a regressar à Terra, em 2020, com amostras de um asteróide.

A aterragem da sonda esteve prevista para outubro, mas foi descoberto que a superfície de Ryugu estava coberta por pedra, mais do que era suposto ter.

Para haver a certeza de que o sistema de recolha de amostras irá funcionar nestas condições, a equipa científica da missão fez testes prévios na Terra.

Lançada para o espaço em dezembro de 2014, a Hayabusa-2 é a sucessora da sonda Hayabusa, cuja missão terminou em 2010 sem recolher amostras do Itokawa.

Em setembro e outubro de 2018, a sonda Hayabusa-2 largou sobre o asteroide Ryugu três pequenos robôs que obtiveram imagens e dados sobre a sua superfície.

Em 2016, a agência espacial norte-americana NASA lançou a sonda OSIRIS-REx, que chegou em dezembro passado perto do asteroide Bennu, do qual pretende recolher amostras e enviá-las para a Terra, em 2023, sem aterrar o aparelho na superfície do corpo rochoso, rico em carbono, elemento básico da vida tal como se conhece.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.