Tempo
|
A+ / A-

EUA

Coligação de 16 estados em tribunal contra muro de Trump

19 fev, 2019 - 01:50 • Redação

Grupo liderado pela Califórnia acusa o Presidente norte-americano de "roubar fundos dos contribuintes" para erguer a barreira na fronteira com o México.

A+ / A-

Uma coligação de 16 estados norte-americanos avançou com uma ação judicial contra a decisão do Presidente Donald Trump de declarar emergência nacional para financiar a construção de um muro na fronteira com o México.

O processo deu entrada esta segunda-feira num tribunal da Califórnia e pretende travar a polémica medida presidencial.

Donald Trump declarou o estado de emergência na semana passada, com o objetivo de conseguir os 5,7 mil milhões de dólares necessários para a construção de um muro na fronteira, uma das suas principais bandeiras de campanha.

“Hoje, no Dia dos Presidentes, levamos o Presidente Trump a tribunal para bloquear o uso indevido de um poder presidencial”, disse o procurador-geral da Califórnia, Xavier Becerra, em comunicado.

“Estamos a processar o Presidente Trump para impedi-lo de, unilateralmente, roubar fundos dos contribuintes legalmente reservados pelo Congresso para a população dos nossos estados. Para a maioria, o gabinete da Presidência não é um lugar para teatro”, salientou Xavier Becerra.

Este é o segundo processo contra o muro que deu entrada nos tribunais norte-americanos nos últimos dias. O primeiro foi apresentado por três fazendeiros do Texas e um grupo ambientalista, alegando que Trump está a violar a Constituição e os seus direitos de propriedade.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.