A+ / A-

De partida para o mundo árabe, Francisco reza pelo Iémen

03 fev, 2019 - 11:13 • Filipe d'Avillez , Aura Miguel

Dezenas de milhares de crianças têm morrido devido à guerra civil no Iémen. “Os seus gritos chegam à presença de Deus”, disse o Papa.
A+ / A-
Francisco segue “com grande preocupação” a crise humanitária no Iémen
Francisco segue “com grande preocupação” a crise humanitária no Iémen

Veja também


O Papa Francisco rezou este domingo pelo povo do Iémen, país do Médio Oriente que está a braços com uma guerra civil há vários anos.

Cerca de uma hora antes de partir para os Emirados Árabes Unidos, onde estará durante alguns dias em viagem apostólica.

“É com grande preocupação que tenho seguido a crise humanitária no Iémen. A população está cansada deste longo conflito e muitas crianças sofrem de fome, mas não conseguem aceder às lojas. Os gritos destas crianças e dos seus pais chegam à presença de Deus.”

Em Novembro de 2018 a organização Save the Children estimava que já pudessem ter morrido de fome no Iémen cerca de 85 mil crianças.

“Apelo às partes interessadas e à comunidade internacional para contribuir urgentemente para que os acordos alcançados sejam cumpridos, que se assegure a distribuição de alimentos e se trabalhe para o bem da população. Convido-vos a todos a rezar pelos nossos irmãos no Iémen”, disse Francisco, antes de recitar uma Avé-Maria por aquele povo.

“Rezemos muito, porque são crianças que têm fome, sede, não têm medicamentos e estão em perigo de morte”, sublinhou o Papa.

Francisco aproveitou ainda as suas palavras a seguir ao Angelus para pedir a paz para o extremo-oriente, onde vários países assinalam por estes dias a passagem de ano lunar.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.