Tempo
|
A+ / A-

Venezuela. Polícia tentou prender Guaidó, mas Presidente interino não estava em casa

31 jan, 2019 - 18:02

Forças especiais foram a casa do líder da oposição quando este se encontrava fora. Juan Guaidó responsabiliza Nicolás Maduro por qualquer coisa que possa acontecer à sua família.

A+ / A-

As forças especiais da Venezuela invadiram esta quinta-feira a casa do Presidente interino, Juan Guaidó, para o tentar prender.

A informação foi avançada pelo próprio na rede social Twitter, em mais um episódio do braço de ferro com o governo de Nicolás Maduro.

De acordo com o presidente da Assembleia Nacional, hoje reconhecido pelo Parlamento Europeu como o "Presidente interino legítimo" da Venezuela, as forças especiais FAES entraram na residência da sua família esta tarde, quando ele se encontrava fora.

No imediato, Juan Guaidó responsabilizou Nicolás Maduro por qualquer coisa que pudesse acontecer à sua filha, de apenas 20 meses, que se encontrava em casa àquela hora. Guaidó, pelo contrário, estava num evento de apresentação do seu "Plano B" para o resgate da Venezuela.

O Presidente interino afirma que a "mudança é imparável" e pretende regressar a casa quando terminar o seu discurso, apelando ao apoio e proteção do povo venezuelano.

"Digo às FAES e as Forças Armadas: ainda estão a tempo de se colocarem do lado certo da história", declarou Juan Guaidó no evento que decorreu na Universidade Central da Venezuela.

A Reuters avançou entretanto que a polícia já abandonou a residência do Presidente interino.

Em entrevista ao jornal "El País", Juan Guaidó assegura que a Venezuela não corre o risco de uma guerra civil e promete eleições dentro de seis a nove meses. "Noventa por cento da população quer a mudança", afirma o Presidente interino.

No início da semana, a procuradoria geral da Venezuela pediu ao Supremo Tribunal que congelasse os bens do também líder do partido da oposição Vontade Popular e que o impedisse de abandonar o país, após Guaidó se ter autoproclamado Presidente interino da Venezuela no passado dia 21 de janeiro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+