A+ / A-

​Dois anos depois, Parlamento debate petição em defesa da vida

30 jan, 2019 - 09:36 • Redação

Documento pede reforço de cuidados continuados e paliativos e rejeita eutanásia, em qualquer circunstância.
A+ / A-

Os deputados debatem esta quarta-feira a petição “Toda a Vida tem Dignidade", dois anos depois da sua entrega.

O texto, assinado por mais de 14 mil pessoas, apela aos deputados para que legislem no sentido da proteção da vida em todas as circunstâncias, recusando a eutanásia. Defende, ainda, um reforço dos cuidados continuados e paliativos.

“Não vale a pena ter uma Constituição que diz que a vida humana é inviolável quando depois temos de idosos acamados sozinhos em casa, quando pois não temos cuidados paliativos e continuados que cheguem a toda a população”, afirma José Maria Seabra Duque, da Federação Portuguesa pela Vida.

Diz ter a “esperança que seja possível debater com serenidade e com seriedade os problemas das pessoas idosas, das pessoas acamadas e sobretudo das pessoas em fim de vida”.

A despenalização da eutanásia foi rejeitada pelos deputados em maio de 2018.

Na altura, foram apreciados quatro projetos de lei - do PAN, BE, PS e PEV para a despenalização da eutanásia.

O projeto do PAN teve 107 votos a favor, 116 contra e 11 abstenções.

O diploma do PS recebeu 110 votos a favor, 115 contra e quatro abstenções.

O projeto do BE recebeu 117 votos contra, 104 a favor e oito abstenções.

O diploma do PEV recolheu 104 votos favoráveis, 117 contra e oito abstenções.


legislativas 2019 promosite
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.