Tempo
|
A+ / A-

Lisboa vai receber entre um milhão e dois milhões de jovens na Jornada Mundial da Juventude de 2022

27 jan, 2019 - 17:30 • Carlos Calaveiras

Portugal vai receber a Jornada Mundial da Juventude de 2022. A conferência de imprensa no Panamá contou com a presença de D. Manuel Clemente, Patriarca de Lisboa, e Fernando Medina, autarca de Lisboa.

A+ / A-

Veja também:


O cardeal patriarca de Lisboa avançou, este domingo, que a Jornada Mundial da Juventude de 2022 vai realizar-se nas margens do rio Tejo, na zona do mar da Palha, depois do Parque das Nações, e vai chegar ao concelho de Loures.

"É o sítio mais que provável: a margem do Tejo. O rio Tejo quando chega a Lisboa faz um mar - que nós chamamos o mar da Palha - e que tem esta circunstância especial: o respetivo perímetro é praticamente o perímetro do mar da Galileia por onde Jesus andou. E vai ser aí no seguimento do magnífico campo onde se fez a Expo98, para leste desse espaço, um amplo terreno, sítio lindíssimo, com vias de comunicação, quer ferroviárias quer rodoviárias e também não fica longe do aeroporto. Melhor não podia ser".

São esperados entre um milhão e dois milhões de jovens. "Não me lembro de nada em que tivéssemos reunido e não estaremos muito longe de ter entre um milhão e dois milhões de jovens em Lisboa nesse verão de 2022, que vai animar a todos como sociedade e a rejuvenescer também com eles", refere.

Em conferência de imprensa, D. Manuel Clemente lembra o exemplo das 'Missões País', como prova de que Portugal e a juventude portuguesa já se prepara para um evento como a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que Lisboa vai receber em 2022.

"Será um motivo de beleza, de coisa construtiva que nos fará bem a todos", disse D. Manuel Clemente.

“Lisboa, a cidade de onde partiu tanta coisa, voltará a ser um cais de embarque, desembarque e retorno”, acrescentou.

O Cardeal adianta ainda que Portugal tem a melhor relação com todas as outras confissões religiosas e essa é "uma dimensão necessária e indispensável". Lisboa é "uma cidade de todos para todos".

A ligação com África, reafirma D. Manuel Clemente, foi um ponto decisivo a favor de Portugal quando chegou a altura do Papa escolher o país organizador. A questão já tinha sido referida quer pelo cardeal quer pelo Presidente Marcelo, em declarações exclusivas à Renascença.

A Jornada Mundial da Juventude será em 2022, no verão, "mas ainda não há data", referiu Alexandre Melo, secretário do dicastério.

O presidente da Câmara de Lisboa diz que é com "Imensa alegria e grande orgulho" que "podermos ser a capital que vai reunir milhões de jovens de todo o mundo, unidos pela sua fé e pelos seus valores da dignidade humana". Fernando Medina refere que este encontro transcende muito a igreja católica e lembra que Lisboa "é uma cidade aberta, que acolhe pessoas de todo o mundo e se afirma pela liberdade".

Medina espera que sejam "as maiores, melhores e mais vibrantes Jornadas mundiais da Juventude ". O autarca deixa já a promessa: No local serão desenvolvidas "as infraestruturas necessárias, não só a acolher as jornadas, mas também o processo de reconversão para que ali se mantenha até como lembrança".

"Sejam bem-vindos a Portugal". O vídeo oficial da JMJ em Portugal
"Sejam bem-vindos a Portugal". O vídeo oficial da JMJ em Portugal
Lisboa recebe o Papa e organiza a Jornada Mundial da Juventude em 2022
Lisboa recebe o Papa e organiza a Jornada Mundial da Juventude em 2022
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Amora Bruegas
    28 jan, 2019 Torres Novas 10:27
    Estamos de parabéns. Infelizmente, mas como já era de esperar, há "moedas de duas caras", anti-Cristãos e muitos ateus que vão querer benfícios egocêntricos e políticos com este acontecimento. Convinha separar as águas! Repare-se no que diz o Medina sobre Lisboa..., "cidade de liberdade". Confudeliberdade,que presupõe responsabilidadee respeito, comlibertinagem, caracterizada por violência, como aquela a que temos assistido nos últimos anos. Uma parada exibicionista de homossexuais, de gente mentalmente doente, é liberdde ou libertinagem? Amanhã, pode ser de pedófilos ou outros cogéneres...,porque não? Na realidade, os argumentos de um, servem para o outro na medida em que ambos são sinais de libertinagem, de podridão moral.

Destaques V+