Tempo
|
A+ / A-

Tancos. Comissão de Defesa tem "luz verde" da PGR para enviar documentos a comissão de inquérito

22 jan, 2019 - 19:47 • Lusa com Redação

Entre a documentação consta as listas do material furtado em junho de 2017 e daquele que foi recuperado quatro meses depois.

A+ / A-

A comissão parlamentar de Defesa Nacional vai remeter à comissão de inquérito ao furto de Tancos toda a documentação enviada pela Procuradoria-Geral da República (PGR), depois de receber “luz verde” daquela entidade.

Os documentos contendo “informação processual” sobre a investigação criminal ao furto de material militar da base de Tancos foram recebidos pela comissão de Defesa Nacional em 11 de outubro, na sequência de um requerimento do CDS-PP.

Entre a documentação consta as listas do material furtado em junho de 2017 e daquele que foi recuperado quatro meses depois, na Chamusca, Santarém, e outros elementos que o procurador titular do processo entendeu que deviam manter-se em segredo de justiça.

Face à criação da comissão de inquérito ao furto de Tancos, os deputados questionaram a PGR sobre se os documentos, que estão fechados num cofre na Assembleia da República, poderiam ser remetidos àquela comissão, e a resposta chegou há poucos dias, anunciou hoje o vice-presidente da comissão de Defesa, Miranda Calha.

“[A PGR] considera que pode ser feita essa ligação da comissão de Defesa para a comissão de inquérito, salvaguardando que o processo em si está sob segredo de justiça”, disse o deputado socialista Miranda Calha.

O furto do armamento dos paióis de Tancos foi noticiado em 29 de junho de 2017, e, quatro meses depois, foi recuperada parte das armas.

Em setembro, a investigação do Ministério Público à recuperação do material furtado, designada Operação Húbris, levou à detenção para interrogatório de militares da Polícia Judiciária Militar e da GNR. O caso levou à substituição do ministro da Defesa, Azeredo Lopes, por João Gomes Cravinho, e do Chefe do Estado-Maior do Exército Rovisco Duarte.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.