Tempo
|
A+ / A-

ColRobot quer revolucionar setor automóvel e aeroespacial

22 jan, 2019 - 08:18 • André Rodrigues

Projeto é português e foi desenvolvido pelo Instituto de Engenharia e Sistemas de Computadores, no Porto.

A+ / A-

O futuro passa pelo Instituto de Engenharia e Sistemas de Computadores, no Porto. O INESC-TEC apresenta um novo robot que pode ser usado, por exemplo, na indústria automóvel e aeroespacial.

O que é o ColRobot? É um braço articulado sobre rodas, o que lhe permite ser autónomo e montar peças em zonas e posições difíceis.

Germano Veiga, que coordena a equipa de investigadores do INESC, descreve-o como um robot colaborativo que promete revolucionar a construção automóvel e a indústria aeroespacial, em particular na construção de satélites.

Nestas declarações à Renascença garante que o objetivo não é subtrair postos de trabalho, mas sim reduzir a exposição dos trabalhadores a condições pouco ergonómicas, libertando-os para outras funções. A interação entre ser humano e robot liberta o trabalhador das tarefas indesejadas.

A demonstração desta terça-feira decorre no laboratório de robótica do INESC e consiste no aparafusamento da parte inferior de um automóvel. Mas o grande desafio é introduzir este robot na indústria aeroespacial.

A fase seguinte é a industrialização do protótipo. Quando estiver a operar em pleno, este ColRobot poderá custar entre 50 mil e 60 mil euros.

O coordenador reconhece que é um valor elevado, apesar disso, estima um retorno de investimento dentro de um prazo razoável.

Este projeto é financiado com 4,3 milhões de euros de fundos europeus.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.