|
A+ / A-

​Antigo administrador da CGD garante que nunca facilitou créditos

22 jan, 2019 - 14:34 • Cristina Nascimento

Em causa está a auditoria feita pela consultora EY. Documento conclui que a Caixa Geral de Depósitos concedeu cerca de 1.100 milhões de euros em empréstimos sem garantias.

A+ / A-

O antigo administrador da Caixa Geral de Depósitos Faria de Oliveira garante que nunca facilitou a concessão de empréstimos enquanto esteve na administração do banco público.

Em declarações ao programa “Tudo é Economia”, da RTP 3, Faria de Oliveira recorda ainda que os pareceres do Conselho de Crédito não são vinculativos.

“Apenas gostaria de dizer que o conselho de crédito dá pareceres que não são vinculativos, por isso é que há conselhos de crédito. Os conselhos de crédito abrangem um número muito grande de pessoas, muito elevado de pessoas e os assuntos são discutidos, toma-se uma decisão final e, que eu me lembre, nunca houve uma declaração de voto mesmo da área de risco em relação à decisões tensões tomadas”, disse.

Questionado sobre se “nunca facilitou nenhum crédito na Caixa Geral de Depósitos”, Faria de Oliveira garante: “Não vou falar sobre o assunto, mas é óbvio que não."

Em causa está a auditoria feita pela consultora EY que concluiu que a Caixa Geral de Depósitos concedeu cerca de 1.100 milhões de euros em empréstimos sem garantias e que acabou por perder metade desse dinheiro.

A Artland, uma fábrica da área química, Joe Berardo e o empreendimento Vale do Lobo lideram a lista dos negócios que mais prejuízo deram ao banco público. Só estes três devedores receberam empréstimos no valor de quase 950 milhões de euros.

As decisões mais gravosas foram tomadas no período dos anos da crise, entre 2007 e 2012, abrangendo as administrações de Faria de Oliveira e de Carlos Santos Ferreira.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.