|
A+ / A-

Água pode ficar mais cara em tempo de seca

21 jan, 2019 - 08:02

Os agregados a partir de cinco pessoas vão ter direito a desconto.

A+ / A-

Os municípios e as empresas gestoras podem vir a subir o preço da água em tempo de seca. A medida está prevista no projeto de regulamento tarifário dos serviços da água, que está em consulta publica até 15 de março.

O documento elaborado pela Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR) prevê alteração de tarifas de água e de saneamento em período de maior escassez e também nos períodos de maior consumo, avança o "Jornal de Notícias".

O alojamento local e os condomínios vão pagar mais, mas os agregados a partir de cinco pessoas vão ter direito a descontos.

Como acontece na eletricidade, o regulador também autoriza tarifas bi-horárias, ou seja, preços distintos consoante o horário de consumo, permitindo que que água seja mais barata nos períodos em que a procura seja mais reduzida. Contudo, esta situação encalha na falta de contadores inteligentes, pois a maioria dos aparelhos só contabilizando o volume de água utilizado e não o momento de consumo.

As novas regras devem entrar em vigor a partir de janeiro de 2021.

Esta alteração foi pensada após a seca severa de 2017, os bombeiros abasteceram populações com água levada por camiões cisterna.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Rombóide
    21 jan, 2019 Aqui e agora 19:23
    Um pretexto que andavam à procura para subir o preço da água. Nem são originais, mas também não precisam: a carneirada lusitana perdeu o nervo e aceita tudo com um encolher de ombros...