Tempo
|
A+ / A-

​"É muito importante que o PSD vire a página" de Passos Coelho

17 jan, 2019 - 00:00 • Eunice Lourenço (Renascença) e Helena Pereira (Público)

Pedro Duarte não conhece quem suspire pelo regresso de Passos Coelho no PSD e defende que aquele programa de Governo "não é aplicável hoje em dia"

A+ / A-
Pedro Duarte: votação por braço no ar no PSD "seria morte política de Rui Rio”
Pedro Duarte: votação por braço no ar no PSD "seria morte política de Rui Rio”

Veja também:


Pedro Duarte, ex-deputado e ex-líder da JSD, responde ao socialista Carlos César e elogia atitude de Marcelo Rebelo de Sousa em auscultar o clima interno do PSD, em entrevista ao programa Hora da Verdade da Renascença e do “Público”.

Carlos César dizia esta semana que há muita gente no PSD à espera que Passos Coelho volte e queira ser candidato. Sente isso no PSD?

Não. Pedro Passos Coelho é jovem, tem imensas capacidades e tem direito a ambicionar ser o quer que seja na vida política. Diferente é o que tenta insinuar Carlos César: o regresso do programa político de Passos Coelho.

É muito importante que o PSD vire essa página, que assuma que tem muito orgulho naquilo que foi feito naqueles anos porque era aquilo que tinha que ser feito devido à irresponsabilidade do Governo socialista, mas os tempos são outros. Aquele programa não é aplicável hoje em dia. Não defendo uma antítese, que se passe para a irresponsabilidade orçamental. Temos que encontrar novas soluções.

Como avalia o comportamento do Presidente da República neste processo interno do PSD? Encontrou-se com Rui Rio num hotel do Porto e recebeu Luís Montenegro no Palácio de Belém. O que é que isto revela?

É um Presidente que gosta de estar informado sobre o que se passa no cenário político português. Gosta de auscultar, não para intervir, mas para ter a informação do seu lado. O Professor Marcelo Rebelo de Sousa é, desse ponto de vista, diferente e tem mostrado em muitas circunstâncias que tem o seu estilo próprio.

É alguém que acompanha a vida interna dos partidos porque sabe que isso pode ter impacto na vida nacional. Qualquer instabilidade no maior partido político com assento no Parlamento é motivo também de preocupação para o Presidente da República.

Não lhe parece que o Presidente quer modular o espaço de centro-direita? No passado, recebeu Pedro Santana Lopes quando este estava a pensar se criaria ou não um novo partido.

O Presidente da República tem sido claro e transparente quando diz que é preciso haver uma oposição forte e um Governo forte.

Dentro destes parâmetros, é natural que queira ter um papel mais ativo do que se calhar era habitual nos Presidentes da República. Vejo isto de uma forma muito positiva.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.