|
A+ / A-

Marcelo comenta prisão de Vara. Não pode haver "privilegiados ou desfavorecidos"

16 jan, 2019 - 19:59

Instado a comentar a prisão do ex-ministro, o Presidente da República defendeu ser “muito importante que a justiça ganhe nas prioridades dos portugueses quando olham para o país e quando votam".

A+ / A-

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, classifica como fundamental que “não haja privilegiados ou desfavorecidos” aos olhos da justiça, apontando que a condição económica e social, ou o percurso da pessoa não podem entrar na equação.

“É fundamental que os portugueses percebam que a justiça, para ser justa, além de rápida, tem de ser uma justiça que não diferencie pessoas e estatutos, não haja privilegiados e não haja desfavorecidos, não olhe para a condição económica, social, percurso, importância passada ou presente, ou potencialmente futura”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

Para o chefe de Estado, esta justiça “é fundamental” no Estado de direito democrático.

À margem da entrega do Prémio Científico IBM, no Instituto Superior Técnico, em Lisboa, o Presidente da República foi instado a comentar o caso do ex-ministro Armando Vara, que se apresentou hoje na cadeia de Évora para cumprir cinco anos de pena de prisão a que foi condenado no âmbito do processo Face Oculta.

Armando Vara foi condenado em setembro de 2014 pelo Tribunal de Aveiro, a cinco anos de prisão efetiva, por três crimes de tráfico de influências.

Questionado sobre este assunto, o chefe de Estado salientou ser “muito importante que a justiça ganhe nas prioridades dos portugueses quando olham para o país e quando votam, que ganhe uma importância que não tem tido”.

“E os portugueses têm de olhar para a justiça assim. Ela não olha a outros critérios que não sejam os critérios da Constituição e das leis”, vincou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Lemos
    17 jan, 2019 Lisboa 11:28
    O Sr Marcelo pensa que o Palácio de S. Bento é a tasca da Tia Micas! És um papagaio!!