A+ / A-

Detetadas irregularidades em candidaturas à reconstrução de casas em Pedrógão

09 jan, 2019 - 12:07 • Redação

Governo confirma as denúncias avançadas no ano passado por dois órgãos de comunicação social. Mais de 20 mil euros já pagos poderão ter de ser devolvidos.
A+ / A-

Das mais de duas dezenas de casos denunciados em trabalhos jornalísticos, o Governo detetou irregularidades em cinco candidaturas à reconstrução de casas ardidas nos incêndios de junho de 2017, em Pedrógão Grande.

A revelação foi feita nesta quarta-feira de manhã no Parlamento, pelo ministro da Economia, que garantiu que os apoios já concedidos terão de ser devolvidos, caso se provem as irregularidades.

“Os cinco casos que suscitaram dúvidas à comissão técnica na sua reapreciação relativamente aos apoios concedidos – e que são casos geridos pelo fundo REVITA ou por entidades com protocolo com o fundo REVITA – tinham o apoio total de 351 mil euros aprovados, dos quais já estão pagos 24 mil euros”, começou por avançar Pedro Siza Vieira.

“Foram suspensos todos os pagamentos adicionais até ao esclarecimento destas dúvidas. E, obviamente, se em função das diligências adicionais, ou até da avaliação que o Ministério Público possa fazer da forma como o processo decorreu, se chegar à conclusão de que estes 24 mil euros de apoios foram indevidamente pagos, tem de se exigir a sua devolução”, garantiu.

As suspeitas foram enviadas para o Ministério Público.

As denúncias de alegadas fraudes foram feitas no ano passado pela revista “Visão” e pela TVI, cujas reportagens falavam em 24 casos de fraude.

O incêndio deflagrou em 17 de junho de 2017, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, e alastrou depois a vários concelhos vizinhos. Provocou 66 mortos e 253 feridos, sete deles com gravidade, tendo destruído cerca de 500 casas, 261 das quais eram habitações permanentes, e 50 empresas.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.