|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Sindicatos de enfermeiros salientam aproximação do Governo, mas mantêm greve

04 jan, 2019 - 21:14

Governo abriu portas a novas categorias na carreira dos enfermeiros, mas não basta palavras para levantar o pré-aviso de greve para dia 14.

A+ / A-

As estruturas representativas dos enfermeiros ficaram satisfeitas com a ronda negocial desta sexta-feira com representantes dos ministérios das Finanças e da Saúde, mas mantêm o pré-aviso de greve.

O Sindicato Democráticos dos Enfermeiros (Sindepor) e a Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE) foram as últimas a serem recebidas.

Lúcia Leite, da ASPE, explica que o Governo abriu portas a novas categorias na carreira dos enfermeiros, mas não basta palavras para levantar o pré-aviso de greve para dia 14.

“Está em apreciação por parte do Governo a possibilidade de nos apresentarem uma carreira com três categorias. Esta é uma abertura que esperamos que venha a acontecer. O pré-aviso de greve mantém-se. Decidimos apresentar um memorando de entendimento, que enviaremos hoje ao Governo para, através da assinatura desse memorando, podermos cancelar a próxima greve”, explica Lúcia Leite.

O Sindepor pretende que as garantias do Governo fiquem escritas em papel quanto às novas categorias na carreira de enfermeiro.

“Há sinais de abertura por parte do Governo para admitir essa possibilidade. Dia 11 vamos aprofundar e discutir essa possibilidade. Os sindicatos já anunciaram que não prescindem de uma carreira com três categorias. Sem isso não poderemos continuar as negociações”, refere Carlos Ramalho, do Sindespor.

A Renascença ouviu José Correia Azevedo, do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, que se mostrou satisfeito com a reunião desta sexta-feira, e esperançado no encontro de dia 11.

“Foi um encontro normal e os objetivos foram atingidos. Estivemos a discutir coisas como as férias, as faltas, as licenças, as tolerâncias, os serviços mínimos em caso de greve e a avaliação de desempenho. Só nos falta, para dia 11, negociar a tabela salarial. O resto, em princípio, estará mais ou menos apalavrado”, sublinha José Correia Azevedo.

Contudo, é bom lembrar que para o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, o Governo não evoluiu na valorização dos salários e não admite a aposentação dos enfermeiros mais cedo, e que há questões centrais que a não serem aceites obrigam à marcação de greves de 22 a 25 de janeiro.

O Ministério da Saúde refere, em comunicado, que as reuniões com o CNESE, FENSE, ASPE e Sindepor decorreram num “clima de entendimento negocial”.

“O Ministério da Saúde sublinha a sua disponibilidade para continuar a trabalhar em conjunto com os sindicatos na construção de uma carreira de enfermagem que reflita as preocupações da profissão, incluindo a possibilidade de estudo de uma estrutura de carreira com três categorias que integre o enfermeiro especialista”, refere o gabinete liderado por Marta Temido.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • DEMO
    05 jan, 2019 SINTRA 09:49
    Quer dizer os enfermeiros querem uma carerira dinástica o que é anti governança.O REI enfermeiro diretor ,figura intocável que só fará gestão de serviço?mesmo quando não é da confiança das administrações,ou fará tb cuidados básico quando não lhe for atribuído qualquer lugar de chefia?Nos básicos e principais pode haver indivíduos com skills mais diferenciadores para exercer os cargos de chrfia do que a emperdenida figura e intpc´vel do enfermeiro diretor.Em democracia não há lugares cativos de chefia isto é um anormalidade.Carreiras sim monarquias para alguns não.