Tempo
|
A+ / A-

Faltam mais de 500 anestesistas nos hospitais públicos

27 dez, 2018 - 15:59 • Redação com Lusa

É o que aponta o mais recente censos de anestesiologia, recuperado esta quinta-feira dadas as tensões entre a ministra da Saúde e a Ordem dos Médicos.

A+ / A-

Mais de 500 anestesistas estão em falta nos hospitais públicos em Portugal, segundo o último Censos de Anestesiologia, divulgado em junho, uma realidade que neste Natal ficou visível na maior maternidade do país, a Alfredo da Costa (MAC), em Lisboa.

A falta de anestesistas nas escalas do dia 24 e 25 de dezembro levou a que a Maternidade Alfredo da Costa, em Lisboa, apenas recebesse nesses dias as urgências, passando as restantes utentes para outros hospitais, conforma foi avançado pela Renascença.

Esta quinta-feira, a Ordem dos Médicos desmentiu uma reação da ministra da Saúde a essa notícia, quando Marta Temido garantiu que a MAC propôs contratar anestesistas por 500 euros à hora para fazer face à falta destes especialistas no período do Natal. Horas depois, a ministra voltou a reafirmar que essa proposta aconteceu mesmo, sem contudo apresentar dados que o comprovem.

De acordo com o Censos de Anestesiologia de 2017, citado esta tarde pela agência Lusa, faltavam 541 médicos anestesiologistas nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

O mesmo estudo, divulgado na Acta Médica Portuguesa, veio mostrar que, até 2017, cerca de um terço dos anestesistas formados nos últimos anos optou por não trabalhar no SNS.

Em três anos formaram-se 145 especialistas em anestesiologia e 99 é que terão ingressado nos quadros médicos dos hospitais do SNS, o que representa 68%.

Segundo o Censos, que analisou a realidade em 86 hospitais, há cerca de 1.280 anestesistas a trabalhar no SNS, o que dá um rácio de 12,4 profissionais por 100 mil habitantes. Em 2014, o rácio era ainda menor, de 12,0.

Há ainda 262 anestesistas a trabalhar apenas em unidades privadas de saúde, fazendo com que o rácio passe a ser de 15,1 por 100 mil habitantes.

A Federação Mundial de Sociedades de Anestesiologia recomenda que o rácio seja de 17,9 anestesistas por 100 mil habitantes.

Apesar de um crescimento de 2% no número de anestesistas nas unidades públicas, as necessidades dos hospitais têm sido ainda mais crescentes. Foram identificadas mais de 615 mil intervenções cirúrgicas com necessidade de um anestesista, o que representa um acréscimo de 3,4% em relação a 2013.

Apesar de ter havido um ligeiro aumento no rácio dos anestesistas de 2014 para 2017, a região de Lisboa e Vale do Tejo e a do Algarve registaram um decréscimo.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Médico Privado
    27 dez, 2018 Hospabc 19:27
    Quando o Privado oferece salário e condições que o Público não acompanha... Só fica no Público quem é, ou masoquista ou doido. Principalmente agora que quem entra na Função Pública, já não tem o "contrato para a Vida" e pode ser despedido a qualquer momento. Dantes, ainda havia isso. Agora, ao contrário do que dizem às pessoas, já não é assim.
  • Filipe
    27 dez, 2018 évora 17:23
    O problema em Portugal é que os médicos tiram os cursos no mesmo sítio e depois servem-se como lhes apetece , um serve para enfiar a agulha , outro para tirar a agulha ... Imagine-se num teatro de guerra onde os feridos aparecem com tudo ... haver uma especialidade para cada enfermidade , nem um porta aviões Americano conseguia albergar os médicos de Portugal . E , o que se vê no entanto é que um médico em teatro de guerra tem o mesmo curso , pois a Medicina é Universal e depois consegue praticamente sozinho dar conta do que 10 a 20 médicos em Portugal não conseguem dar ou não querem dar porque estão sentados na sombra da bananeira .