Tempo
|
A+ / A-

Anestesistas a 500 euros à hora? Ordem dos Médicos fala em "notícias falsas"

27 dez, 2018 - 08:40 • Redação

A ministra da Saúde é desafiada a apresentar os documentos que comprovem as suas palavras, mas os médicos admitem poder vir a recorrer aos tribunais.

A+ / A-

A Ordem dos Médicos nega a existência de propostas de contratação de anestesistas a 500 euros à hora na Maternidade Alfredo da Costa (MAC).

Em comunicado enviado à redação, o bastonário Miguel Guimarães lamenta que a “época de Natal esteja a ser marcada pela divulgação de notícias falsas”.

“Qualquer pessoa de bom senso, compreenderia que, se tal proposta existisse, num turno de 12 horas, quase triplicava o ordenado de um mês”, sublinha.

A Renascença avançou que a urgência da Alfredo da Costa estaria encerrada na véspera e no dia de Natal por ter apenas um anestesista a escalado. Mais tarde, a ministra da Saúde disse que esta situação demonstra a necessidade de ter um Serviço Nacional de Saúde com profissionais em dedicação exclusiva, assegurando que o conselho de administração da MAC pagaria os 500 euros à hora pedidos para a prestação de serviços de anestesia, "mas sucede que não foi possível recrutar um segundo elemento" para a maternidade.

De acordo com a Ordem, a verdade é bem diferente: o Centro Hospitalar de Lisboa Central terá aberto um concurso para contratação de prestadores de serviços, por um valor de 39 euros à hora, valor esse que seria pago à empresa, não aos médicos especialistas (cujo valor/hora é sempre inferior ao que é pago à empresa).

“As declarações da Sra. ministra geraram uma onda de notícias falsas”, disse já esta manhã em entrevista à Renascença.

“Perante uma discrepância de 461 euros, a Ordem dos Médicos exige que sejam apresentados os documentos/contratos onde conste claramente o referido valor e que seja explicado em que meios oficiais foram publicados e divulgados. Confirmando-se a verdade – isto é, que tais propostas de contratação por 500 euros/hora não existem – a Ordem exige um desmentido tão público quanto o foram estas falsas notícias, e reserva-se no direito de recorrer aos tribunais dado o caracter ofensivo e indigno para os médicos como resultado das declarações proferidas”, pode ainda ler-se na mesma nota.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    27 dez, 2018 Lisboa 11:14
    Quer dizer que os políticos mentem, mesmo os que têm responsabilidades governativas? Quer dizer que os governos mentem? A classe política é mentirosa? Oh! Que choque! A sério, alguém com 2 dedos de testa, acreditou no que a ministra veio dizer, dos 500€/hora, para a TV? Só se nasceram ontem ...
  • Anónimo
    27 dez, 2018 11:11
    Ó Filipe, tu calado eras um poeta. Para comentares às 09:43 não é porque estavas propriamente a trabalhar...
  • 27 dez, 2018 palmela 11:07
    Ainda nao me tinha manifestado sobre isto"porque achei horroso! Para comemorar o nascimento do menino jesus"a maternidade alfredo da costa "resolve encerrar e nao receber bebes! Isto nao se faz"e anti religioso!
  • Filipe
    27 dez, 2018 évora 09:43
    Talvez tenha razão , fazem 10 ou 20 anestesias em dois meses , eis as contas certas . O valor é certo para o número de anestesias feitas , ganha x por mês a dividir por esse número dará certamente esse valor e o povo realmente diz : Ganham como Kalifas do petróleo e ainda reclamam !

Destaques V+