|
A+ / A-

Marcelo visita Raríssimas e elogia diálogo na área social

24 dez, 2018 - 18:56 • Redação

A instituição vive uma nova vida desde a saída da antiga presidente e fundadora, Paula Brito da Costa.

A+ / A-

Veja também:


O Presidente da República visitou esta segunda-feira, véspera de Natal, a Raríssimas – ou, mais concretamente, a Casa dos Marcos, na Moita.

Durante a visita e sempre acompanhado pelos utentes do único centro para doenças raras no país, Marcelo Rebelo de Sousa agradeceu o empenho da Segurança Social e da Fundação Aga Khan na recuperação da instituição.

“Houve, de facto, um envolvimento de entidades – como é o caso da Fundação Aga Khan, que tem um grande apoio em Portugal a obras sociais, mas nunca tinha trabalhado com uma instituição tão específica como esta”, começou por dizer.

“O sensibilizar para aquilo que era diferente foi o mérito da senhora secretária de Estado da Segurança Social, da Santa casa da Misericórdia de Lisboa e até do diálogo, que nem sempre é possível em Portugal, que houve”, enalteceu.

Em 2017, o Presidente também visitou a Casa dos Marcos. Vivia-se uma altura muito conturbada na sequência do escândalo em torno da fundadora e antiga presidente da instituição, Paula Brito da Costa.

Tudo começou com uma reportagem da TVI, que denunciou alegadas irregularidades levadas a cabo pela antiga responsável, incluindo o uso indevido de dinheiro da IPSS para fins pessoais.

Paula Brito e Costa foi constituída arguida e suspensa de funções. A socióloga Sónia Margarida Laygue, mãe de uma criança de três anos com uma doença rara, assumiu os comandos da Raríssimas.

O caso levou também à demissão do secretário de Estado da Saúde, Manuel Delgado, que colaborou com a associação como consultor em 2013 e 2015.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.