Tempo
|
A+ / A-

Enfermeiros anunciam trégua de Natal

17 dez, 2018 - 22:12 • Redação com Lusa

Serviços mínimos vão ser reforçados na próxima sexta-feira, por ser véspera de fim de semana prolongado. Marcelo fala de um gesto de solidariedade que "regista com apreço".

A+ / A-

Os sindicatos que convocaram a denominada "greve cirúrgica" recomendam aos grevistas que se apresentem ao serviço na sexta-feira, dia 21, tendo em conta o fim de semana prolongado devido ao Natal e a tolerância de ponto dada pelo Governo.

A Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE) e o Sindicato Democrático dos Enfermeiros (Sindepor) enviaram um ofício às administrações dos cinco hospitais onde decorre a greve a indicar que foi recomendado aos grevistas que "compareçam ao serviço no horário em que estão escalados, no dia 21 de dezembro, para possibilitarem a abertura de todas as salas e tempos operatórios habituais".

No documento, a que a agência Lusa teve acesso, os sindicatos dizem que pretendem "salvaguardar que nenhum doente oncológico classificado nível 3 e 4, bem como os que se enquadrem nas situações de urgência diferida" fiquem privados "de tempo operatório que permita a resolução da sua situação de saúde".

A presidente da ASPE, Lúcia Leite, lembrou que com as tolerâncias de ponto para os dias 24 e 31 de dezembro, juntando os fins de semana e feriado de Natal, são sete dias em que as salas de cirurgias programadas ficarão fechadas até final da paralisação.

Para operar os "doentes de urgências diferidas que se estão a acumular", os sindicatos decidiram assim recomendar que os grevistas se apresentem ao serviço na sexta-feira no horário em que estão escalados, mas lembram que os enfermeiros em greve apenas podem assegurar os serviços mínimos

O objetivo, diz Lúcia Leite, possibilita abrir todas as salas cirúrgicas que cada instituição tem em serviços mínimos e recuperar a lista de doentes urgentes que eventualmente estejam à espera de tempo operatório.

A sindicalista dá como exemplo o Centro Hospitalar do Porto que tem 31 salas operatórias, que poderão funcionar na véspera do fim de semana prolongado de Natal, se todos os enfermeiros escalados se apresentarem ao serviço, mesmo estando em greve. Num dia de semana de greve estariam a funcionar 10.

Marcelo fala em gesto solidário

"O que eu penso é que todos os portugueses sabem que o fim de semana de Natal e a época de Natal é uma época muito especial e, portanto, o facto de se ter isso em linha de conta significa um gesto de solidariedade que registo também com apreço", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado recusou, contudo, comentar este "conflito de trabalho específico", sublinhando que, tendo em consideração o mesmo espírito de natal, não quer, neste momento, introduzir fatores de ruído.

Marcelo Rebelo de Sousa falava à margem do concerto solidário das Forças Armadas que decorreu esta segunda-feira, na Casa da Música, no Porto, e que angariou três mil euros para a Associação de Deficientes das Forças Armadas e a Associação dos Albergues Noturnos do Porto.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pedro
    18 dez, 2018 Porto 11:01
    A ser verdade que o nosso presidente tenha dito "um gesto de solidariedade" considero lamentável e infeliz que tenha aberto a boca, pois revela um nível intelectual só comparado com um imbecil. Fazer uma trégua de Natal é tão sarcástico como atribuir ao filme de Benini "A vida é bela". Pois nada há de mais horroroso do que "fazer uma trégua de Natal", quando se anda a MATAR. (Estou a falar da II guerra mundial). Considerar um gesto de solidariedade quando um grupo de funcionários públicos põem em causa a vida dos outros para poder reclamar aumentos salariais, então só nos resta chorar e ver o filme de Benini. Sr Presidente; um gesto de solidariedade é trabalhar 40 horas semanais a ganhar 580 euros por mês, um gesto de solidariedade é ser despedido com 15 dias de antecedência, um gesto de solidariedade é receber de indemnização de uma semana por cada ano de trabalho, um gesto de solidariedade é receber 189 euros de reforma, um gesto de solidariedade é ter 10 dias de férias quando o patrão bem entender... Há tantos gestos de solidariedade que os enfermeiros poderiam fazer... Haja decência!!
  • Filipe
    18 dez, 2018 évora 10:28
    Os "criminosos" deixam os doentes ir ao Hospital comer bolo rei que envenenaram .
  • joao
    18 dez, 2018 setubal 08:28
    Greve mais mal explicada
  • Luis Matos
    18 dez, 2018 loures 00:31
    A malta do crowdfunding fechou os cordões à bolsa?

Destaques V+