Tempo
|
A+ / A-

Primeiro-ministro francês admite erros na gestão da crise dos "coletes amarelos"

16 dez, 2018 - 22:48 • Lusa

"Não ouvimos suficientemente os franceses", admite Edouard Philippe, reafirmando o compromisso em "reparar o país".

A+ / A-

O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, admitiu que o Governo não "ouviu suficientemente os franceses" e "cometeu erros" na gestão da crise dos "coletes amarelos", numa entrevista ao jornal Les Echos que será publicada na segunda-feira.

"Não ouvimos suficientemente os franceses. Estou convencido de que eles querem que nós transformemos este país. Digo-lhes que a sua impaciência é a minha. Vamos continuar a reparar o país contando mais com eles", sublinhou Philippe na entrevista divulgada 'online' este domingo.

Na mesma entrevista, Edouard Philippe pormenoriza as medidas anunciadas pelo Presidente, Emmanuel Macron, para apaziguar a ira dos milhares de manifestantes que, desde 17 de novembro, saíram à rua em todo o país para exigir melhores condições de vida.

O chefe do executivo francês anunciou igualmente a realização de um debate sobre o referendo de iniciativa cidadã (RIC), uma das principais reivindicações dos "coletes amarelos", que afirmou poder ser "um bom instrumento numa democracia".

"Não vejo como é que se pode ser contra o princípio que lhe subjaz. O referendo pode ser um bom instrumento numa democracia, mas não sobre qualquer assunto, nem em quaisquer condições. É um bom tema para o debate que vamos realizar em toda a França. Como o é o voto em branco", sustentou o primeiro-ministro na mesma entrevista.

Polícia controla "coletes amarelos" com gás lacrimogéneo
Polícia controla "coletes amarelos" com gás lacrimogéneo

O movimento dos "coletes amarelos", convocado por cidadãos comuns nas redes sociais, começou por ser um protesto contra o aumento dos combustíveis em França, mas depois tornou-se mais abrangente, à medida que aumentou a adesão popular, transformando-se num movimento de contestação social por melhores condições de vida, cujas principais queixas eram impostos demasiado altos e quebra do poder de compra.

Desde 17 de novembro, e ao longo de cinco sábados consecutivos, muitos milhares de manifestantes invadiram as ruas, com alguma violência, incendiando viaturas e contentores do lixo, arrombando e pilhando lojas por todo o país e entrando em confronto direto com as forças policiais, o que causou centenas de feridos e milhares de detenções.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.