Tempo
|
A+ / A-

Greve dos enfermeiros

Hospitais privados disponíveis para ajudar nas cirurgias adiadas

11 dez, 2018 - 09:26

A greve dos enfermeiros já obrigou ao adiamento de mais de cinco mil cirurgias nos hospitais públicos, muitas delas pediátricas. Serviços mínimos não são suficientes para casos graves.

A+ / A-

Veja também:


Os hospitais privados estão disponíveis para realizar cirurgias adiadas pela greve dos enfermeiros, garante à Renascença o presidente da Associação de Hospitalização Privada.

Óscar Gaspar diz que ainda não recebeu qualquer contacto nesse sentido da parte do Ministério da Saúde, mas deixa as portas abertas.

“Em casos particulares, como aquele que agora estamos a passar, seria natural que houvesse um reforço da colaboração entre os hospitais do Serviço Nacional de Saúde e os hospitais privados. Ainda não houve esse contacto e também é verdade que nós não o fizemos de foram ativa, mas o que posso afirmar é que existe disponibilidade da nossa parte para colaborar”., garante.

A greve dos enfermeiros, em curso desde o dia 22 de novembro, já obrigou ao cancelamento e adiamento de mais de cinco mil cirurgias, muitas delas pediátricas e oncológicas.

Face aos efeitos que o protesto está a provocar em vários hospitais públicos, há já quem fale na hipótese de o Governo avançar para a requisição civil. A bastonária da Ordem dos Enfermeiros considera que, antes disso, há passos a dar, nomeadamente à mesa das negociações.

Os enfermeiros reivindicam melhores condições de trabalho, mas sobretudo a definição da categoria de enfermeiro especialista.

Os serviços mínimos foram definidos por uma comissão arbitral, mas não estão a ser suficientes para resolver as situações graves.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    11 dez, 2018 Lisboa 16:07
    Ou seja, não há dinheiro - diz o governo ... - para contratar mais enfermeiros, mas já há para pagar aos privados algumas centenas ou milhares de cirurgias e se calhar, fazer mais um contrato ao estilo das ppp's de má memória a pagar fortunas a privados... Mas não há para contratar mais enfermeiros nem para rever carreiras... Vejam as contas bancárias de alguns governantes, deve haver alguém a lucrar com esta situação, ou então a ter uma cadeira com o nome gravado num qualquer Conselho de Administração dum hospital privado.
  • Petervlg
    11 dez, 2018 Trofa 15:00
    Se o governo vai avançar para esta pratica e não negoceia com os enfermeiros, é porque alguns políticos vão receber algo...
  • 11 dez, 2018 13:12
    O servico nacional de saude e uma coisa abandalhada! Podiam poupar nos medicamentos para terem mais dinheiro para cirurgias"nao se justifica que um doente por ser oncologico"tome 40 comprimidos por dia!

Destaques V+