|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Convento do Cardaes organiza mais um "Natal Solidário"

29 nov, 2018 - 16:20 • Ângela Roque

Há chá e brunch aos fins de semana e muitas iguarias feitas no Convento à venda. Receitas destinam-se às obras de remodelação das instalações onde vivem 35 utentes com necessidades especiais.

A+ / A-
Convento do Cardaes organiza mais um Natal Solidário
Convento do Cardaes organiza mais um Natal Solidário

Para oferecer, ou para consumo próprio, até 16 de dezembro ainda é possível comprar compotas, chutneys e biscoitos, ou participar no chá ou no brunch que o Convento dos Cardaes vai organizar aos fins-de-semana. A iniciativa, que já tem clientes fiéis, arrancou este ano a 10 de novembro.

“Ao sábado e domingo temos brunch, do meio-dia às 15h, e chá das 15h30 às 19h. Os produtos, doces, bolachas e outras coisas, também podem ser comprados durante a semana, entre as 14h30 e as 17h30”, explica à Renascença Ana Maria de Sousa Vieira, das irmãs dominicanas de Santa Catarina de Sena. A religiosa, responsável pela instituição, confirma que “é tudo feito no Convento, com frutas frescas, bons produtos, a maior parte doados”. E com muita ajuda de voluntários.

“São muitos voluntários, jovens e menos jovens, que trabalham imenso. A Escola de Turismo e Hotelaria de Lisboa todos os fins de semana está cá com um grupo razoável de alunos, e às vezes também de professores, que vêm ajudar com muito boa vontade, o que também assegura a qualidade do serviço”, diz a irmã Ana Maria, que faz também questão de sublinhar o empenho regular “das senhoras voluntárias”, porque “são de uma grande entrega, fazem tudo com muita alegria e boa disposição”. Para a reta final da campanha deste ano ainda precisam de ajuda. “Sobretudo para os dias 15 e 16 ainda nos faltam voluntários”.

O brunch custa 20 euros por pessoa, o chá 8,5 euros e os outros produtos têm preços variados. As receitas do ‘Natal solidário’ têm um destino bem definido. “São para a Associação de Nossa Senhora Consoladora dos Aflitos, que funciona no convento desde 1877, e que acolhe pessoas com necessidades especiais, em regime de lar”. Mas, este ano há outra necessidade definida. “Vamos ter muitas despesas, porque estamos a reabilitar as instalações para que as nossas utentes tenham melhor qualidade de vida e para ser mais fácil cuidar delas”, afirma.

São neste momento 35 as jovens e adultas que vivem no Convento dos Cardaes. As “meninas”, como a irmã Ana Maria gosta de lhes chamar, têm idades entre 25 e os 80 anos, algumas são cegas, todas sofrem de alguma debilidade e tem necessidades especiais. Dar-lhes “uma vida digna” é o objetivo prioritário das irmãs dominicanas de Santa Catarina de Sena, porque “quase nenhuma tem família e ficam cá até ao fim da vida. Algumas vêm com 18 anos, e depois esta é a família delas”.

O ‘Natal Solidário’, que realizam sempre com grande sucesso, é uma das principais campanhas anuais de angariação de fundos, por isso a irmã Ana Maria deixa um convite: “venham ao Convento, ao brunch ou ao chá, venham viver um Natal diferente, um Natal solidário”. Mas, há ainda outras formas de ajudar. “Podem fazer-se ‘Amigos do Convento’, ou atribuir ao Convento a percentagem do IRS, que é outra ajuda que não custa nada a ninguém e que faz a diferença”.

“Há muita coisa que podem fazer por esta causa”, conclui a responsável pelos Cardaes, lembrando que até mesmo o voluntariado, não se esgota nesta altura do ano. “Precisamos sempre de ajuda, para se fazer companhia e conviver com as meninas, por exemplo, ou no Museu, onde é tudo feito com voluntários, permanentes, cada um tem o seu dia de vir”.

O convento dos Cardaes fica no número 123 da Rua do Século, no bairro alto, muito próximo do jardim do Princípe Real. Para mais informações, consulte o site do Convento ou a página de Facebook.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.