A+ / A-

Governo foi alertado em 2014 para perigo na estrada de Borba

27 nov, 2018 - 06:48

Operações estão dependentes das condições de segurança, pois as autoridades receiam novas derrocadas.
A+ / A-

A falta de segurança na estrada municipal que liga Borba a Vila Viçosa e o risco de colapso foram reportados ao gabinete do Secretário de Estado da Energia no final de 2014, no Governo do PSD/CDS. Também a Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) foi alertada.

Segundo o jornal Observador, em 2014, na sequência de um memorando que saiu de uma reunião em novembro de 2014 na Câmara de Borba com os serviços da Direção-Regional de Economia (DRE) e os industriais de mármore, chegou a ser discutido o encerramento da via.

Em conjunto com o memorando, foi enviada a informação de que o colapso da estrada “potencialmente acarreterá consigo vítimas e nesse caso a responsabilidade civil e criminal será das empresas exploradoras, das câmaras municipais e das entidades licenciadoras e fiscalizadoras”, pode ler-se no jornal.

O e-mail, enviado a 1 de dezembro de 2014, pelo diretor-regional de Economia à chefe de gabinete do secretário de Estado da Energia revela preocupação perante as condições da estrada: "Temos vindo a acompanhar com alguma preocupação, o assunto relatado na informação infra, no que toca à falta de segurança existente no troço de estrada que liga Borba a Vila Viçosa devido às condições de estabilidade dos taludes laterais que confinam com esta, cujo colapso poderá colocar em perigo, quer a segurança dos trabalhadores das pedreiras, quer a própria circulação de viaturas ligeiras e de pesados, na Estrada Municipal 255, no troço entre Borba e Vila Viçosa".

O secretário de Estado Artur Trindade garante que a informação não lhe foi comunicada, apesar de ter sido enviada à DGEG. Marta Alves, a sua chefe do gabinete, confirmou a receção e explicou que não o remeteu para o secretário de Estado porque o entendeu como o reporte da informação da passagem de competências da DRE, que ia ser extinta, para a DGEG.

No passado dia 21 de novembro, António Costa garantiu que o "Governo não sabia que aquela era uma zona de risco" e afirmou que aquela via rodoviária não é desde 2005 da gestão das infraestruturas estatais, descartando a responsabilidade nesta matéria.

O protocolo assinado entre Associação Nacional de Municípios Portugueses e executivo de Guterres, em 2002, entregou 4.500 quilómetros de estradas nacionais (financiando 5.500 euros por cada quilómetro) às autarquias. "Mas o protocolo caducou e nenhum Governo fez outro".

Ribau Esteves, presidente da Câmara de Aveiro, explicou à Renascença que que as autarquias não têm capacidade financeira para fazer os enormes investimentos que as estradas precisam e defende a utilização de fundos comunitários.

Trabalhos suspensos

Devem ser retomadas, esta manhã, as operações para chegar até à viatura submersa que ontem terá sido detetada num poço mais fundo da pedreira. O Laboratório Nacional de Engenharia Civil suspendeu as operações dos mergulhadores, devido ao perigo de nova derrocada.

O deslizamento de um grande volume de terra na estrada 255 entre Borba a Vila Viçosa provocou a deslocação de uma quantidade significativa de rochas, de blocos de mármore e de terra para o interior de duas pedreiras contíguas no dia 19 deste mês, pelas 15h45.

O acidente, segundo a Proteção Civil, provocou a morte de dois trabalhadores da empresa de extração de mármores da pedreira que se encontrava ativa, o maquinista e o auxiliar de uma retroescavadora.

Além disso, na pedreira mais próxima da estrada, que se encontra "em suspensão de lavra" (sem atividade) e que possui o plano de água mais profundo, as autoridades procuram ainda, pelo menos, três desaparecidos, que seguiam em duas viaturas automóveis no momento da derrocada da via rodoviária.


legislativas 2019 promosite
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Lopes
    27 nov, 2018 Linda 14:42
    O senhor Costa começa a dar sinais de trapalhada política. A geringonça é tamanha que o Sr Costa já confunde Estado com Governo! Ó Sr Costa uma coisa é ser estúpido e outra é ser burro! Mas, no seu caso, parece que é a duas coisas. Não aprendeu no seu curso de Direito a diferença entre o Governo e o Estado!?? Não precisa de se desculpar se pensa que não tem culpa. Uma coisa tem que começar a acontecer, tem de haver responsabilidades criminais. Os políticos e os agentes da Administração Pública ao serviço do Estado (está a perceber Sr. Costa?) sejam quem forem têm de ser responsabilizados criminalmente por actos culposos que atentem contra a vida humana, disso não tenho dúvidas.
  • André
    27 nov, 2018 Portugal 09:18
    Diz "reunião em novembro de 2014 na Câmara de Borba com os serviços da Direção-Regional de Economia (DRE) e os industriais de mármore, chegou a ser discutido o encerramento da via." A câmara que tinha competência para encerrar, não encerrou. Pomnto final. Informou o governo, logo os governos sabiam. Incompetência do estado. Reduzam-se os incompetentes, para isso reduza-se o estado.