A+ / A-

Autarca de Borba não se demite. "Isso é para os fracos"

27 nov, 2018 - 17:46

Aos jornalistas esta terça-feira, António Anselmo disse que "nunca" acreditou que a antiga EN 255 "viesse a cair".
A+ / A-

O presidente da Câmara de Borba, António Anselmo, garantiu esta terça-feira que não vai apresentar demissão do cargo na sequência do desabamento de um troço da antiga Estrada Nacional 255 em Borba, no Alentejo, um acidente que terá provocado cinco mortos, com três dos corpos ainda por recuperar.

Em declarações aos jornalistas, António Anselmo declarou que pode vir a assumir responsabilidade se for caso disso mas não para já.

"Enquanto eu estiver aqui, assumo claramente aquilo que estou a fazer. Demitir é próprio dos fracos, estou cá para lutar sempre pela minha terra. Quando chegarmos à conclusão das coisas cá estaremos."

No mesmo sentido, o autarca alertou que "a culpa não deve morrer sozinha" e garantiu que "depois de a Justiça investigar, cá estaremos para assumir se tivermos de assumir a responsabilidade".

Questionado sobre estudos e relatórios que têm vindo a público sobre a falta de segurança da estrada e o risco de derrocadas, o presidente da Câmara assegurou que não tinha consciência do perigo e recordou até que levou lá políticos e amigos várias vezes. "Nunca acreditei que aquilo viesse a cair. Acha que levava lá pessoas se soubesse?"

"Se eu tivesse alguém a dizer que havia perigo que aquela estrada ruísse, é evidente que era a primeira pessoa [a atuar]", referiu, dizendo ainda que acredita que "as Estradas de Portugal sabiam o que se estava a passar" ao terem decidido retirar aquele troço da Estrada Nacional 255, transformando-o numa estrada municipal que liga Borba a Vila Viçosa.


legislativas 2019 promosite
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Acordem
    28 nov, 2018 10:26
    A descentralização funcionaria se existissem políticos e técnicos nos municípios com níveis de preparação, no mínimo, idênticos aos que existem centralmente. Ora isso não se verifica. As Cam. Municipais são uma rede de amigos e conhecidos. Só quem assiste aos discursos dos candidatos a presidente é que acredita em tamanha mediocridade, ausência de pensamento estruturado, ideias e conhecimentos. Este Presidente da CMB é o exemplo disso. Eleito entre outros tantos, iguais ou piores, não tem preparação para gerir as pastas que o governo de António Costa insiste em querer ceder.
  • FIlipe
    27 nov, 2018 évora 18:28
    Claro está , anda o Governo a pouco e pouco a criar nas Autarquias lugares de Ditadores e Anarquistas sem qualquer fiscalização , poder a mais está mais que visto . Agora , vem a gestão de Escolas na parte funcional , vem a administração de praias e outras parecidas ... vem tudo , onde uma Autarquia hoje nem o lixo e buracos tapa em condições . Podem dar poder e euros , mas advirto que quem paga é depois os utentes que ficam desprotegidos com gente por vezes eleita no calor das patuscadas e vinho tinto à mistura . O atual Governo anda a destruir Portugal , só um desinteressado não percebe nem sente , cada dia está um pouco definhado Portugal .