Tempo
|
A+ / A-

Reveja o momento em que a sonda da NASA chegou a Marte

26 nov, 2018 - 18:22

InSight é o nome da missão que promete desvendar os mistérios da história e evolução do planeta vermelho.

A+ / A-

Depois de ter percorrido uma distância de quase 500 milhões de quilómetros, a sonda InSight, da NASA, pousou com sucesso esta segunda-feira na superfície de Marte.

A chegada aconteceu poucos minutos antes das 20h00 (em Portugal Continental e na Madeira), e foi aplaudida no centro de controlo da missão InSight, na Califórnia.

Momentos depois, a sonda enviou para a Terra a primeira fotografia da superfície de Marte, uma imagem pouca nítida devido provavelmente à poeira causada pelo seu impacto.

A NASA aguarda atualização de informação dada pelos satélites em redor do planeta para confirmar se a InSight aterrou no local previsto, uma ampla planície, a "Elysium Planitia".

A missão da agência espacial norte-americana NASA dura há já seis meses e tem como principal objectivo estudar o interior do planeta vermelho.

Qual é a importância desta missão? A equipa que concebeu a InSights acredita que o estudo do interior de Marte tem o potencial de decifrar os fenómenos que estão na origem da formação de outros planetas rochosos, com a Terra ou a Lua.

Uma aprendizagem que pode, também, contribuir para melhor entender as dinâmicas do Sistema Solar.

Uma aterragem atribulada

Apenas 40% das missões a Marte foram bem sucedidas. “A fina atmosfera, apenas 1% da atmosfera terrestre, é sinónimo de fraca fricção para abrandar um veículo espacial”, lê-se no site da agência espacial norte-americana.

A sonda da NASA, que viaja a uma velocidade superior a 22 mil quilómetros por hora, terá apenas seis minutos para pousar em segurança na superfície do planeta vermelho

Foto: NASA

Pousar numa tempestade de pó

A InSight pousou numa ampla planície de Marte, a "Elysium Planitia".

A intensa poeira que circula nesta região é um factor limitativo, que procurou ser contornado pela equipa de engenheiros que concebeu esta missão.

Por esse motivo, a superfície da sonda conta com um escudo térmico suficientemente denso para suportar fortes “rajadas de areia” que possam resultar de poeiras suspensas junto ao solo.

Durante a noite, a sonda já enviou sinais para a Terra, indicando que seus painéis solares estão abertos e coletando luz solar na superfície marciana. A sonda Mars Odyssey da NASA retransmitiu os sinais, que foram recebidos na Terra. A implantação de painéis solares garante que a espaçonave possa recarregar suas baterias todos os dias.

Nos próximos dias, o braço robótico da InSight, comandado pela equipa da NASA, irá tirar fotografias do solo, de forma a que os engenheiros possam decidir onde posicionar os instrumentos científicos da espaçonave. Levará de dois a três meses até que esses instrumentos sejam totalmente implantados e enviados os dados.

[notícia atualizada terça-feira às 7h00]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    27 nov, 2018 évora 13:38
    A NASA consegue o feito de arranjar fotos tão nítidas em Marte e quando toca a Lua , embora ande por lá a orbitar uma excelente máquina fotográfica , só mostra os locais de alunagem todos desfocados ou sem se perceber o que lá está , lá está a mentira do homem ter ido pisar a Lua ... se o tivesse feito já nesta altura teria certamente uma base Lunar para treino , em vez de andarem a fazer bases orbitais a pouco mais de 400Km de distancia .
  • Rui
    27 nov, 2018 Lisboa 09:52
    Os timings desta missão tendo em conta velocidade distância e ponto de encontro são no mínimo um milagre colossal.
  • António Costa
    27 nov, 2018 Cacém 07:26
    A "explosão" de crescimento no mundo da electrónica telecomunicações e informática foi imenso desde a chegada a Lua no final dos anos 60. O mundo da internet e comunicações de hoje seria considerado ficção científica aquando da chegada da primeira sonda humana a Marte, a sonda Viking. Os projetos espaciais quase estagnaram com o final do programa Apollo.
  • Filipe
    26 nov, 2018 évora 21:21
    Levarem mantimentos para a estação espacial a 400Km já se notou que por vezes falham bastante e matam humanos , quanto mais a Marte quando ir à lua 1000 vezes mais que a estação Espacial ainda é um sonho de ficção científica que deva ter ganho vários óscares . Uma palhaçada que só prejudica o meio ambiente da Terra e onde na mesma ainda não se conhece mais de 60% . Existem zonas ainda intocáveis quer em profundidade quer em altura . O que alegadamente o pisar na Lua desenvolveu a Terra ? ... nada ! .