|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Óbitos

Francisco Assis-João Taborda da Gama
Um eurodeputado e um professor universitário (especialista em direito fiscal) a viver em Lisboa olham para os principais temas da atualidade. Às terças e quintas, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Debate Francisco Assis e João Taborda da Gama - 27/11/2018
Debate Francisco Assis e João Taborda da Gama - 27/11/2018

Francisco Assis

“Há uma impossibilidade prática” nas reivindicações dos professores

27 nov, 2018


O regresso às negociações entre Governo e professores e o aumento do número de casos de SIDA em Portugal foram os temas em análise por Francisco Assis e João Taborda da Gama.

Francisco Assis considera que, se as propostas dos sindicatos dos professores, entrassem já em vigor “poderiam pôr em causa a viabilidade do Orçamento do Estado”.

Na segunda-feira, o Parlamento decidiu que Governo e professores têm de regressar à mesa das negociações, para chegar a um consenso quanto ao tempo de carreira da classe que deve ser descongelado.

No entender do eurodeputado socialista, “há uma impossibilidade prática” nas reivindicações feitas, em que “as vantagens não superam os efeitos negativos que daí resultariam”, pelo que o Governo não deverá alterar a sua posição, apesar do “diálogo difícil”.

João Taborda da Gama partilha da mesma opinião. “O Governo não quer subir uns pontos de défice para resolver o problema dos professores” e “já percebeu que a luta dos professores não tem o apoio da população, portanto, não se vai preocupar muito com isso”.

Taborda da Gama tem já uma ideia de como serão as negociações: “acena-se com a possibilidade de regras especiais de aposentação, fazendo com que os professores aceitem uma contagem diferente do tempo de serviço”.

O aumento do número de casos de SIDA em Portugal foi o outro tema em análise. Francisco Assis diz que “é motivo de preocupação” e que os novos números obrigam a “uma avaliação rigorosa sobre o que se passou”, sendo que pode não tratar-se de uma tendência, mas apenas de um ano a fugir à regra.

“Até aqui, a estratégia tem funcionado, não apenas em Portugal como nos outros países: houve enormes avanços no combate a essa doença”, remata.

João Taborda da Gama considera que “qualquer história de sucesso tem sempre o perigo do desinvestimento e isso pode estar a passar-se do lado dos comportamentos”.

Há que perceber, por isso, se os novos números são resultado de um “aumento de comportamentos de risco” ou na sequência de “maiores diagnósticos e chegar mais cedo e mais rápido às pessoas infetadas”.

Taborda da Gama lembra “agora temos uma geração que não cresceu sobre o fantasma da SIDA, o que pode, nalguns países, justificar um aumento da contaminação”.

E destaque que Portugal, “em 20 anos, reduziu em três vezes o número de casos. Há 20 anos, eramos o país que tinha mais casos na Europa”.

“Estes números não nos podem fazer esquecer de um ponto de vista mais global: o flagelo da SIDA no terceiro mundo. O flagelo em países como Moçambique ou África do Sul”, destaca por fim.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    27 nov, 2018 Lisboa 22:40
    Não vejo a população a dar vivas ao governo, pelo que o costinha, anda mal avisado se pensa que consegue maiorias sem o apoio dos professores. A Lurdinhas, por coincidência ou não, também pensou e disse "perdi os professores mas ganhei a população". No fim, perdeu tanto uns como os outros e perdeu também o lugar no novo e minoritário governo...