A+ / A-

Costa sobre Borba. "Governo não sabia que aquela era uma zona de risco"

21 nov, 2018 - 12:49

Primeiro-ministro escusou-se a comentar "atos de responsabilidade de outras entidades".
A+ / A-

O primeiro-ministro, António Costa, garante que o "Governo não sabia que aquela era uma zona de risco". Costa falou, esta quarta-feira, pela primeira vez sobre a tragédia ocorrida na antiga estrada nacional 255, onde um deslizamento de terras juntas a uma zona de pedreira fez desaparecer 100 metros da via rodoviária, provocando a morte a pelo menos duas pessoas.

Costa explicou ainda aos jornalistas que a Direção-Geral de Geologia e Minas já veio dizer que, de acordo com os dados que tinha, aquela não era uma zona considerada de risco.

"O risco manifestamente verifica-se que existia e por isso foi ordenado um inquérito para apurar se houve alguma falha de procedimentos por parte da Direção-Geral de Geologia e Minas que é a parte que respeita ao Estado, que é tem a ver com licenciamento e fiscalização das pedreiras", acrescentou.

O chefe do Governo recusou ainda "comentar atos de responsabilidade de outras entidades".

O presidente do Automóvel Clube de Portugal (ACP) considera “inaceitável” que “estrada que ruiu não estivesse cortada”. Em entrevista à Renascença, Carlos Barbosa não hesita em apontar o líder do executivo de Borba como o “único responsável” pela tragédia.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Americo
    21 nov, 2018 Leiria 19:23
    Mas o que é que este homem sabe ? Rir-se............
  • 21 nov, 2018 15:07
    Ha uma coisa que me resta saber"a estrada tera sido feita antes ou depois das pedreiras?
  • Vera
    21 nov, 2018 Palmela 14:30
    É natural que o Sr. Primeiro Ministro não soubesse, eu não tenho dúvida nenhuma! mas as autarquias não podem ter o poder nas mãos, sem consultaram primeiro, membros do Governo! Não pode ser assim! porque nem todos os autarcas são competentes. Desde que os autarcas resolvem as coisas, sem darem conhecimento ao Governo, não pára que acontecer coisas!!! parece que as pedreiras já lá estavam! então quem é que autorizou a fazer uma estrada entre duas pedreiras? Quem nunca viu uma pedreira não imagina o estrondo! estremece tudo! As pedreiras têm que estar em sítios isolados! a estrada, é que não podia estar ali.
  • Antônio
    21 nov, 2018 Pombal 13:25
    É lamentável um governante e ainda por cima sendo primeiro ministro do país , escudar se constantemente numa só frase o governo não sabia , este governo nunca sabe de nada só quando as tragédias acontecem , provávelmente não toca nos familiares dele ,de certeza ,esses andam em carro pago pelo país com motoristas pago pelo país e nunca sofrem estás tragédias , está na hora dos nossos governantes fazer algo pelo país e não serem parasitas da sociedade , porque o que se vê é a classe política ser cada vez mais rica viver cada vez melhor agora lutar pelos interesses do país pouco ou nada se vê , é vergonhoso um país que poderia estar tão bem , mas viver tão mal , porquê a resposta é simples , só temos quem nos rouba não quem nos governa e luta pelo b estar da sociedade de uma forma geral , primeiro eles com ordenados chorudos e reformas a condizer depois os desgraçados que são a sustentabilidade do país e paralelamente o a sustentabilidade do ordenado destes políticos que só roubam
  • ANTONIO G FERREIRA
    21 nov, 2018 QUEIJAS 13:08
    A Direção Geral de Minas não autoriza a leboração de pedreiras? Não é parte dum ministério na dependência do Governo. Estamos a brincar ou a limpar a água do capote.