|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Secretária de Estado desmente ameaça de não entregar crianças a famílias de acolhimento

20 nov, 2018 - 16:17

Ana Sofia Antunes diz que nunca afirmou que "o Estado não vai entregar mais crianças" por causa da falta de fiscalização.

A+ / A-

A secretária de Estado da Inclusão esclareceu esta terça-feira as suas próprias afirmações sobre a entrega de crianças a famílias de acolhimento, após lhe ter sido atribuída a ameaça de não se entregarem mais crianças para adoção até que haja mais meios de fiscalização.

Em comunicado, Ana Sofia Antunes garante que nunca afirmou que "o Estado não vai entregar mais crianças a famílias de acolhimento" por causa da escassez de meios de fiscalização.

No documento, a responsável diz que apenas afirmou que, enquanto não tiver os meios necessários para garantir a fiscalização das famílias de acolhimento, o Governo não se sente seguro para aumentar o número de crianças atribuídas a famílias adotivas.

Sobre o assunto, a secretária de Estado afirmou recentemente que o que está em causa não é falta de capacidade financeira para gerir a alocação de crianças para adoção, mas sim a falta de recursos humanos.

"Não é acima de tudo uma questão financeira, porque o que vamos poupar num lado de alguma forma dará para suprir o que está do outro lado, portanto a questão não é essencialmente financeira. A questão é essencialmente de supervisão e de conseguirmos ter meios humanos, que efetivamente escassearam muito durante alguns anos, encontrámos uma situação bastante catastrófica nessa matéria. Temos neste momento em curso concursos de recrutamento para novos recursos humanos e parte deles serão também dedicados a isto."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.