Tempo
|
A+ / A-

Causas da derrocada em Borba? Governo diz que este é o "momento do socorro"

19 nov, 2018 - 22:55

Secretário de Estado da Proteção Civil garante que ​causas da derrocada da estrada vão ser investigadas.

A+ / A-

Veja também


As causas do deslizamento de terras para uma pedreira em Borba, com vítimas mortais, vão ser investigadas, mas, agora, "este é o momento do socorro", afirma o secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves.

"As causas, naturalmente, serão investigadas" e "averiguadas", afirmou o governante, numa conferência de imprensa, realizada esta segunda-feira à noite, no quartel dos Bombeiros Voluntários de Borba.

Questionado pelos jornalistas sobre se não era previamente conhecida a alegada fragilidade do troço da estrada que aluiu para o interior desta pedreira de mármore localizada neste concelho alentejano, o secretário de Estado disse não dispor de qualquer informação nesse sentido.

"Não tenho informação. Este é o momento do socorro e é isso que nós estamos aqui" a fazer, "a mobilizar os meios necessários para isso", respondeu aos jornalistas.

As imagens da estrada que ruiu em Borba
As imagens da estrada que ruiu em Borba

O deslizamento de terras para a pedreira provocou, pelo menos, dois mortos, segundo divulgou o Comandante Distrital de Operações de Socorro (CODIS) de Évora, José Ribeiro.

Trata-se, segundo o responsável, de dois operários da empresa que explora a pedreira.

As autoridades desconhecem, para já, o número de pessoas desaparecidas.

Uma retroescavadora e duas viaturas foram arrastadas para o interior da pedreira, devido ao aluimento de terras na antiga estrada nacional entre Borba e Vila Viçosa.

No encontro com os jornalistas, José Artur Neves insistiu que a atual operação é "de resgate e socorro", pelo que "este não pode, nem deve ser o momento para estar a avaliar" as causas do deslizamento de terras.

Segundo o governante, cabe às entidades responsáveis realizarem esse trabalho, enquanto a si próprio e ao Ministério da Administração Interna cabem a responsabilidade de "mobilizar os meios de socorro no âmbito da Proteção Civil".

O secretário de Estado, que transmitiu em nome do Governo as condolências e "uma palavra de conforto às famílias das vítimas, à câmara e à população" do concelho, garantiu que "estão mobilizados todos os meios necessários para, com toda a segurança, resgatar as vítimas".

Além disso, continuou, uma equipa de apoio psicossocial do INEM está a "apoiar as famílias das vítimas".

O governante reconheceu tratar-se de uma "situação crítica" e de "um incidente grave" e "de grande complexidade", que já verificou no local.

"Verifiquei no local essa grande complexidade, com o arrastamento de uma grande massa de solos com uma mistura de pedras que resvalou" para "um poço [pedreira] com cerca de 200 mil metros cúbicos de água, cheio de rochas e onde supostamente poderão estar também vítimas".

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.