Tempo
|
A+ / A-

Patriarca diz que diretivas sobre abusos são "suficientes", mas admite estudo aprofundado

15 nov, 2018 - 17:34

D. Manuel Clemente pede que não se generalize e salienta que cada caso é um caso.

A+ / A-

D. Manuel Clemente não descarta a possibilidade de a Igreja poder ver a fazer um estudo aprofundado sobre o problema do abuso de menores.

No final da assembleia plenária da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), que decorreu em Fátima, o cardeal patriarca de Lisboa foi questionado sobre o tema e sugeriu que as diretivas já publicadas são suficientes, se forem seguidas.

“Tudo é possível. Para já, não tratámos disso diretamente. O que nós fizemos foi publicar as diretivas que, para já, são suficientes e esclarecedoras para aquilo que se tem de fazer”, declarou o presidente da CEP.

Nestas declarações aos jornalistas, D. Manuel Clemente lançou um apelo para que não se generalize na questão dos abusos e salientou que cada caso é um caso.

“Neste campo tudo é mau, mas não é tudo igual. Cada caso é um caso e apresentá-lo no conjunto pode incorrer nesta distorção de generalizar aquilo que acontece individualmente, pessoalmente. Tenhamos o cuidado de casos que se apresentem – Deus queira que não – analisá-los pessoalmente, acompanhá-los com todos os implicados pessoalmente e sem generalizações, porque trata-se de pessoas e cada caso é um caso”, sublinhou.

D. Manuel Clemente esclareceu ainda que os casos de abusos que foram arquivados na justiça civil, mas que não foram arquivados na justiça canónica, seguiram para Roma, esperando-se a sua finalização.

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) também manifestou a sua preocupação com as notícias acerca do tráfico de pessoas, escravatura e exploração humana em Portugal e pede “a maior atenção das autoridades e da sociedade a este problema”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.