|
A+ / A-

“Todos os dias estavam despedidos”. Estivadores lutam por contrato coletivo de trabalho

14 nov, 2018 - 10:54

É contra a precariedade que os estivadores estão, há mais de uma semana, parados no porto de Setúbal. As empresas já acenaram com contratos, mas só para alguns.

A+ / A-

Os trabalhadores do porto de Setúbal exigem um acordo coletivo de trabalho. Estão “fartos da situação de precariedade”.

Segundo o presidente do Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística, os precários são “90% dos trabalhadores do porto”.

À Renascença, António Mariano adianta que, “durante o período de greve”, alguns trabalhadores têm sido “assediados, coagidos a assinarem contratos”.

“As empresas, durante 20 anos, não se lembraram deles, trataram-nos com contratos diários, todos os dias estavam despedidos e agora querem assinar contratos com alguns. Bom, nós também queremos, mas em número muito superior e não em período de greve. Isto é uma manobra claramente de coação que está a ser exercida sobre eles”, critica.

Jorge Brito, um dos estivadores em protesto, confirma a proposta: “propuseram que 30 trabalhadores assinassem um contrato e tivessem melhor qualidade de vida – não muita, mas alguma – e os outros 60 e poucos que existem neste momento ficassem no modelo que tem vigorado nestes últimos 20 anos”.

Mas estes profissionais querem mais. “O que defendemos é que o modelo tem de mudar, não pode continuar a meter só mais precários” – ou seja, exigem um contrato coletivo de trabalho.

Exportações travadas na Autoeuropa

Por causa deste protesto, milhares de carros da Autoeuropa estão parados no porto de Setúbal, à espera de seguir para exportação.

O ambiente no local é calmo, mas há milhares de carros vindos da fábrica de Palmela que não podem embarcar. Como o espaço começa a escassear, esta situação poderá levar à paragem da produção de carros.

Contactada pela Renascença, fonte da Autoeuropa diz que, para já, a laboração segue com normalidade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.