|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​Merkel defende criação de "verdadeiro exército europeu"

13 nov, 2018 - 20:56

“Só podemos defender os nossos interesses quando agimos juntos. O tempo em que podíamos contar com outros ficou para trás”, afirmou a chanceler alemã, no Parlamento Europeu.

A+ / A-

A chanceler alemã, Angela Merkel, defendeu esta terça-feira, no Parlamento Europeu, que a Europa precisa de se defender e deve trabalhar para vir a criar "um verdadeiro exército europeu".

“Temos cooperação ao nível ao militar, e isso é muito bom, mas o que devemos fazer, e isto é muito importante, é trabalhar na visão de um dia criarmos um verdadeiro exército europeu”, disse a chanceler alemã no seu discurso sobre o Futuro da Europa.

A afirmação suscitou aplausos, mas também apupos dos eurodeputados, mas Merkel considerou um “ótimo” sinal estar “aborrecer algumas pessoas no Parlamento”, que antes tinha descrito como o maior parlamento do mundo.

“Só podemos defender os nossos interesses quando agimos juntos. O tempo em que podíamos contar com outros ficou para trás”, afirmou.

A chanceler evocou palavras do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, sobre como a existência de “um exército europeu mostraria ao mundo que nunca mais haveria guerra na Europa”.

“Podemos ser um bom complemento à NATO, podemos trabalhar com a NATO com um exército europeu”, afirmou, explicando que um exército europeu integraria a Aliança Atlântica como atualmente a integram forças nacionais dos Estados-membros.

“Seria muito mais fácil cooperar connosco”, acrescentou.

O objetivo de um exército europeu foi evocado pela chanceler como um de três exemplos em que Merkel considera que a UE tem de mostrar “tolerância e solidariedade”, o foco da sua intervenção no PE: as migrações, a política externa e de segurança e o crescimento económico.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    13 nov, 2018 Lisboa 22:36
    A Alemanha tem neste momento um exército porcalhão, onde dois terços das unidades blindadas estão inoperacionais, uma força aérea onde os pilotos se piram para trabalhar em companhias civis e uma esquadra, em que metade dos navios por avarias e falta de manutenção, passa mais tempo nos portos que no Mar. Há anos e anos que o desinvestimento alemão nas proprias F.A. é uma realidade, tanto, que o Trump-maluco até os ameaçou se não chegassem à meta dos 2% em gastos com a Defesa... Agora a Merkel a "mutti" , dum País que tem gigantescos excedentes e não cumpre com as regras e por ser a Alemanha, não é castigado, vem falar num exército Europeu, quando nem investe no exército próprio. O Exército Europeu é para a Europa pagar o exército que vocês alemães, não querem pagar? E se calhar é para colocar esse exército a defender a vossa fronteira, não?