|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Estatuto do Cuidador Informal. "Não consigo perceber o que esperam para o aprovar"

05 nov, 2018 - 11:53

Presidente da Associação Nacional do Cuidador Informal lembra que há dois anos que Marcelo Rebelo de Sousa luta pela criação do estatuto.

A+ / A-

Veja também:


A presidente da associação que representa os cuidadores informais não percebe porque é que a Assembleia da República está a travar o Estatuto para o Cuidador Informal. Sobretudo, porque “todas as bancadas” sem exceção estão de acordo.

“O problema é não saberem como vão fazer”, presume Sofia Figueiredo, em declarações à Renascença.

“Estas pessoas precisam de licenças sem vencimento, de redução de horário, de apoios financeiros – porque estamos a falar de pessoas que vivem com 108 euros por mês, pessoas que cuidam de pessoas dependentes. Portanto, é preciso dar dignidade a estas pessoas”, destaca a dirigente, acrescentando que “estamos a falar também de apoio psicológico” e “de uma carreira contributiva”.

“Os problemas estão identificados”, salienta Sofia Figueiredo, que recorda “um estudo encomendado pelo Governo”, segundo o qual “os cuidadores informais poupam ao Estado 333 milhões de euros por mês”.

“Não consigo perceber o que esperam para aprovar o estatuto”, conclui.

Esta segunda-feira, assinala-se o Dia do Cuidador e o Presidente da República publicou uma mensagem no site da Presidência a enaltecer a importância destas pessoas e a necessidade de se avançar para o estatuto, ultrapassando “preconceitos e obstáculos institucionais”.

Sofia Figueiredo acredita que as palavras e envolvimento de Marcelo Rebelo de Sousa venham “dar mais força a esta luta”.

“Isto é um problema da sociedade, não é só dos cuidadores; deve ser visto pela sociedade em geral, porque todos nós um dia podemos ser cuidadores”, sublinha a dirigente da Associação Nacional do Cuidador Informal.

A ideia de transversalidade é também passada pelo Presidente da República, ao defender que a criação de um estatuto próprio “é uma causa que é nacional” e que “merece o esforço de todos”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    05 nov, 2018 évora 13:13
    Parece mentira mas é verdade , se um dia for isso aprovado ... espero que sim , coitadas das pessoas que cuidam ... seria transformarem as habitações privadas em autênticos Hospitais ambulantes . Que possam dar uma abono à altura da situação tudo bem , agora criarem uma espécie de profissão para despejar doentes dos Hospitais , não . Ou fazem novos Hospitais com os impostos do povo para albergar estas situações ou criem abonos específicos . Deve ser bonito ... deve ... logo vão ver . E , não se esqueçam de formar os "cuidadores!" como exigem das amas que cuidam das crianças porque o Estado não investe nas creches públicas . Ou , então em vez de um idoso para no lar 950 euros por mês , vão criar formação dos "cuidadores!" para despejarem os Lares de 3ª Idade e pagarem o ordenado mínimo ao cuidador , sempre poupa 950 euros e o Estado paga ao "cuidador!" . Grande negócio vai ser , melhor do que habitações das cabras e ovelhas que arderam nos incêndios e barracões e culturas que o vento não destruiu , pagas a fundo perdido ...