A+ / A-

Trump admite enviar até 15 mil militares para a fronteira

31 out, 2018 - 21:14

Líder norte-americano garante que não vai deixar entrar os elementos, maioritariamente hondurenhos, que estão em caravana a caminho do país.

A+ / A-

O Presidente dos Estados Unidos admite enviar até 15 mil militares para a fronteira entre os Estados Unidos e o México para impedir a entrada de uma caravana de migrantes.

“Iremos até aos 10 a 15 mil militares no controlo fronteiriço”, disse o Presidente norte-americano aos jornalistas na Casa Branca.

O líder norte-americano afirmou que o movimento de tropas se destina a prevenir a entrada de uma caravana de migrantes da América central. A caravana encontra-se ainda a cerca de 1.600 quilómetros da fronteira.

Trump disse que os Estados Unidos “estarão preparados” e que os migrantes “não entrarão” no país.

Atualmente há 2.100 guardas nacionais a ajudar no controlo da fronteira. O Pentágono disse que um adicional de 5.200 tropas no ativo poderá juntar-se a este efetivo.

Na segunda-feira, centenas de elementos desta marcha que fugiram à miséria e à violência nos respetivos países atiraram-se ao rio Suchiate, em Tucún Umán, na fronteira da Guatemala com o México, para contornar as barreiras da polícia mexicana.

"As caravanas são compostas por pessoas e combatentes ferozes", escreveu Trump na rede social Twitter.

Donald Trump colocou a imigração no centro da campanha eleitoral, para voltar a captar o seu eleitorado antes do escrutínio de 06 de novembro.

Na terça-feira, anunciou que quer acabar com o "direito de solo", consagrado na Constituição dos Estados Unidos, para impedir que crianças nascidas no país, filhas de imigrantes ilegais, possam automaticamente ter a nacionalidade norte-americana.

A alteração, por decreto presidencial, desse princípio inscrito na Constituição debater-se-á, contudo, com grandes obstáculos jurídicos, segundo muitos especialistas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    21 dez, 2018 21:56
    E o contribuinte americano é que paga as paranóias de Trump.