A+ / A-

Moçambique arquiva caso de desaparecimento do empresário português Américo Sebastião

26 out, 2018 - 16:11

O arquivamento deve-se ao facto de não terem sido encontrados elementos para o esclarecimento do caso, explica a Procuradoria Provincial de Sofala.

A+ / A-

A Procuradoria Provincial da República em Sofala, centro de Moçambique, anunciou o arquivamento das investigações ao desaparecimento, em 2016, do empresário português Américo Sebastião por não terem sido encontrados elementos para o esclarecimento do caso.

"Infelizmente, até hoje não temos pista de quem possam ser os autores" por detrás do desaparecimento, disse a procuradora-chefe da República em Sofala, Carolina Azarias, falando em conferência de imprensa na Beira, capital de Sofala.

Os investigadores analisaram os movimentos bancários efetuados através dos cartões de Américo Sebastião e as chamadas e mensagens de telefone cedidas pelas operadoras telefónicas, acrescentou.

Carolina Azarias adiantou que o magistrado do Ministério Público, responsável pelo processo, decidiu não deduzir deduzir acusação por falta de elementos, tendo remetido o caso para apreciação hierárquica superior, culminando no arquivamento.

No entanto, as autoridades admitem reabrir o caso, caso surjam novos dados.

"O arquivamento não é definitivo, quando surgirem elementos supervenientes, a instrução preparatória será reaberta com vista à responsabilização dos verdadeiros autores do crime", declarou a magistrada-chefe de Sofala.

Relatos de testemunhas indicam que Américo Sebastião foi levado por homens armados numa estação de serviços em Nhamapadza, distrito de Maríngue, em 29 de julho de 2016.

Segundo a família, os raptores usaram os cartões de débito e crédito para levantarem 4.000 euros, não conseguindo mais porque as contas foram bloqueadas logo que foi constatado o desaparecimento.

A família pediu a intervenção no caso do Governo moçambicano, da presidente da Assembleia da República de Moçambique, Verónica Macamo, e do Provedor de Justiça, Manuel Chang, bem como do Estado português, mas até ao momento ainda não há esclarecimento.

Contactado pela Renascença, o Ministério dos Negócios Estrangeiros diz que tomou "nota da decisão das autoridades judiciárias moçambicanas" e "lamenta que não tenham sido, até agora, encontrados elementos de pudessem apurar responsabilidades".

Na nota, o ministro valoriza o facto de as autoridades admitirem reabrir este caso quando surgirem novos elementos.

O Ministério recorda que Portugal tem procurado insistentemente, a todos os níveis e em múltiplas instâncias, obter informações sobre os seguimentos dados a esta questão.

Por último, o Ministério dos Negócios Estrangeiros garante que vai continuar a apoiar a família nos seus esforços para apurar a verdade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.