|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Caso Mayorga. Presidente da Juventus confia em CR7 porque o confrontou "olhos nos olhos"

26 out, 2018 - 10:42

O internacional português é acusado, por uma mulher norte-americana, de a ter violado. Agnelli confia na inocência de CR7.

A+ / A-

O presidente da Juventus, Andrea Agnelli, confia na inocência de Cristiano Ronaldo, no caso de alegada violação a uma mulher norte-americana. O internacional português nega todas as acusações.

"Quando há problemas, tenho tendência a olhar as pessoas nos olhos, a questioná-las diretamente e depois julgá-las por mim mesmo. Olhei Cristiano nos olhos, falei com ele assim que surgiu o caso e estou muito tranquilo devido à sua postura. O seu comportamento nos dias e semanas posteriores só me confirmam esse sentimento inicial", afirmou Agnelli, durante uma assembleia de acionistas do clube italiano.

Kahtryn Mayorga é o nome da mulher que acusa o avançado português de a violar, em 2009, num hotel em Las Vegas. As duas partes assinaram um acordo de confidencialidade, por 325 mil euros (375 mil dólares), mas Mayorga alega ter sido coagida a assinar. Agnelli prometeu apoio total ao jogador: "É um tema pessoal e as decisões são dele, mas recordei-lhe que a minha porta e a da Juventus estarão sempre abertas para ele e estamos aqui para o ajudar e apoiar de qualquer maneira".

Ronaldo é acusado de “agressão e abuso sexual”, “imposição intencional de sofrimento emocional”, “coação e fraude”, “chantagem e conspiração”, “difamação”, “abuso de direito” e expressa a “intenção declarada de tornar nulo o termo de confidencialidade ou torna-lo anulável com base na incompatibilidade” devido a “influência/coerção ou fraude”.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.