|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Tancos. Ex-diretor da Polícia Judiciária Militar em silêncio perante o MP

23 out, 2018 - 13:42

O coronel Luís Vieira, que se encontra em prisão preventiva, foi chamado ao DCIAP, mas decidiu não prestar esclarecimentos aos procuradores.

A+ / A-

O ex-diretor da Polícia Judiciária Militar (PJM) Luís Vieira remeteu-se, esta segunda-feira, ao silêncio perante os procuradores do Ministério Público que investigam o caso do aparecimento das armas furtadas em Tancos.

“O meu constituinte usou do direito legal de não prestar declarações, manteve as declarações do primeiro inquérito de arguido detido. Considera que o silencio é a melhor resposta e estamos cientes que tempo se vai encarregar de trazer toda a verdade”, disse aos jornalistas o advogado Rui Baleizão, após uma hora e meia de presença no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

O ex-diretor da PJM, que se encontra em prisão preventiva, foi chamado ao DCIAP, mas decidiu não prestar esclarecimentos aos procuradores, alegando também que não quer “perturbar e contribuir para mais intoxicação daquilo que é a informação que tem vindo a denegrir entidades e instituições”, acrescentou o advogado.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.