|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Em Nome da Lei
O direito e as nossas vidas em debate. Sábado às 12h, com repetição domingo às 0h
A+ / A-
Arquivo
Em Nome da Lei - Crimes sexuais - 20/10/2018
Em Nome da Lei - Crimes sexuais - 20/10/2018

Em Nome da Lei

É a justiça demasiado branda na apreciação de crimes sexuais?

20 out, 2018


As acusações de violação a Cristiano Ronaldo e um recente acórdão do Tribunal da Relação do Porto relançaram o debate sobre os crimes sexuais. Depois de toda a controvérsia que se tem ouvido e lido, restam as dúvidas sobre o modo como a sociedade e os tribunais julgam tais crimes.

Os últimos dados disponibilizados pelo Ministério da Justiça revelam que, em 2016, a larga maioria dos condenados em Portugal por crime sexual beneficiou de pena suspensa.

Só 37% dos condenados por violação, coação e abuso sexual de pessoa incapaz de resistência, e até de abuso sexual de crianças, cumpriram pena efetiva de prisão.

Face a esta aparente brandura da justiça na apreciação de um crime cujas participações aumentaram mais de 21% entre 2016 e 2017, o Governo promete mexer no Código Penal para agravar as penas. Será esse o caminho?

Para responder a esta questão e debater o tema, são convidados do programa deste sábado o juiz conselheiro João Silva Miguel, também diretor do Centro de Estudos Judiciários (CEJ); Inês Ferreira Leite, professora de Direito Penal na Faculdade de Direito de Lisboa; Tânia Cruz, da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV); e a deputada do Bloco de Esquerda Sandra Cunha. Nem da bancada do PS nem do Governo houve disponibilidade de participação.

Não existem cheques em branco

Questionada sobre se subir para o quarto com alguém equivale a dar “luz verde” para que haja relações sexuais, a penalista Inês Ferreira Leite é perentória: “não há cheques em branco no consentimento para atos sexuais”.

“Estas perguntas surgem porque há um problema de base na nossa perceção do que é a criminalidade sexual. O consentimento é uma coisa que se deduz do contexto e das circunstâncias, não tem de ser expresso e falado necessariamente e deve ser aferido, como deve ser aferido em relação a qualquer outra coisa: se a pessoa, de facto, quis ou não naquele momento, com aquela pessoa, naquelas circunstâncias e naquele contexto praticar aquele ato sexual. Portanto, quando entra no quarto, não está a dizer nada sobre nada”, sustenta.

A advogada e professora na Faculdade de Direito de Lisboa considera que o que aconteceu a Cristiano Ronaldo é muito comum nas situações de intimidade, no namoro e mesmo no casamento – as pessoas acham que têm o direito de exigir tudo do outro porque fizeram uma aprendizagem distorcida da sexualidade, destaca.

A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) critica, por seu lado, o abuso na aplicação da pena suspensa, que cria um sentimento de impunidade na sociedade. Tânia Cruz propõe que sejam aplicadas penas mais curtas, mas de prisão efetiva.

Já a deputada do Bloco de Esquerda defende que o Código Penal português desvaloriza os crimes contra as pessoas, por comparação com os crimes contra o património.

Face aos números de condenados com pena suspensa, Sandra Cunha sublinha que essa suspensão implica, na prática, que o agressor sexual pode depois de condenado continuar a ter uma vida igual à que tinha, enquanto para a vítima nada volta a ser como antes.

No seu entender, Portugal tem uma cultura judicial de desvalorização da violência sobre as mulheres, razão pela qual o Bloco propõe um agravamento das molduras penais e que o sexo sem consentimento seja considerado um crime de violação.

Ponderação é o que pede o juiz conselheiro João Silva Miguel, que dirige a escola onde são formados os juízes e os magistrados (CEJ). É preciso pensar bem antes de proceder a uma nova mexida no Código Penal, alerta, defendendo que as penas suspensas devem continuar a ser uma possibilidade ao critério do juiz.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • FERNANDO MACHADO
    23 out, 2018 PORTO 10:38
    GOSTAVA DE SABER O MOTIVO DE NÃO PUBLICAREM OS MEUS COMENTÁRIOS. SERÁ QUE A RR NÃO TEM NENHUM "MEDIADOR" OU CENSOR DE SERVIÇO ??
  • Para a cadeia
    23 out, 2018 mertola 09:52
    Sim, mas não esqueçam também o caso em que as denuncias são simples mentirolas, seja por vingança, ajuste de contas, ou outra causa, e que depois de se verificar a tramóia, quem mentiu fica praticamente impune: processo por difamação é inútil porque ou não têm como pagar ou já puseram os bens em nome de outros. E irem para a cadeia por falsas declarações, também não vão. Se também houvesse cadeia por falsas acusações de violação, assédios, etc, as coisas tornavam-se mais sérias e não havia tantas acusações infundadas e linchamentos nas redes sociais.
  • pito
    21 out, 2018 11:19
    Nada se diz se há — sequer — um processo em tribunal. Tudo isto do metoo só vem assegurar a persistência segura, rentável, da mais antiga profissão.