A+ / A-

Mensagem póstuma de Stephen Hawking alerta para ameaça da ciência no mundo

16 out, 2018 - 06:37

Numa mensagem póstuma transmitida segunda-feira no lançamento do seu último livro, Stephen Hawking avisa que a ciência e a educação estão ameaçadas no mundo.
A+ / A-

Stephen Hawking considerava que a educação e a ciência estavam "em perigo agora mais do que nunca", mencionando a eleição de Donald Trump como Presidente dos Estados Unidos e a saída do Reino Unido da União Europeia como parte de uma "revolta global contra especialistas, incluindo cientistas".

O aviso foi transmitido numa mensagem póstuma, divulgada no lançamento do seu último livro, segunda-feira, em Londres. A obra "Breves respostas a grandes perguntas", que compila as últimas reflexões do cientista sobre o Universo, foi apresentada pelos filhos Lucy e Tim.

Na mensagem, Stephen Hawking voltou a exortar os jovens "a olharem para as estrelas e não para os pés", assumindo que a ciência ainda necessita de superar grandes desafios, como as alterações climáticas, a extinção de espécies, a desflorestação, a degradação dos oceanos e o excesso de população.

Nas palavras da filha Lucy, emocionada por escutar novamente a voz do pai, "Breves respostas a grandes perguntas" resume-se a "um apelo à unidade e à humanidade" para "encontrar soluções" para os desafios do mundo.

Lucy Hawking contou que o pai, antes de morrer, em 14 de março, se manifestava preocupado ao afirmar que "quando os desafios globais requerem uma maior união e cooperação" as pessoas assumem um pensamento "cada vez mais local, fragmentado e dividido".

O livro, que foi concluído por colegas de Stephen Hawking e família, procura responder a questões como se existe Deus, como começou tudo, se se pode prever o futuro ou o que há dentro de um buraco negro.

Para o cosmólogo britânico, segundo a filha, o mais importante era "responder às grandes perguntas de uma maneira acessível, divertida e relevante para todo o mundo".

Tim Hawking, o filho mais novo, preferiu realçar no lançamento mundial da obra, no Museu da Ciência de Londres, um dos locais favoritos do físico, a sua faceta mais humana, a de que também se preocupava com os assuntos do dia-a-dia dos filhos.

Stephen Hawking, que sofria de uma doença neurodegenerativa que o deixou numa cadeira de rodas e a comunicar através de um sintetizador de voz, morreu com 76 anos.

As suas cinzas estão depositadas na Abadia de Westminster, em Londres, entre as sepulturas do físico Isaac Newton (1643-1727), que formulou a lei da gravitação universal, e do naturalista Charles Darwin (1809-1882), que postulou a teoria da evolução das espécies por seleção natural.

Oito momentos em que Stephen Hawking nos fez rir
Oito momentos em que Stephen Hawking nos fez rir
De aluno preguiçoso a físico brilhante. Sete curiosidades sobre Stephen Hawking
De aluno preguiçoso a físico brilhante. Sete curiosidades sobre Stephen Hawking

legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.